terça-feira, novembro 30, 2004

É uma vitória histórica

Hoje vivemos um dia histórico e inesquecível. É o recuperar da legitimidade democrática neste país, seja qual for o resultado! É a maior satisfação política de sempre que eu tenho! Uma vitória que vai fazer com que, e quem conhece as regras deste blogue, eu publique esta foto. Há problemas, sim! Mas hoje Sampaio está em grande aqui no Pastelinho! É o nosso herói de hoje!



Viva o Senhor Presidente da República, o Senhor Doutor Jorge Sampaio!

Miguel Bordalo

Vitória

democracia

O assaltou à democracia terminou. Contemos espingardas amanhã. Hoje é um grande dia. MCG

Contra mim falo

Quem sabe! A verdade é que só a ponderação de Sampaio pode vir, e ainda falta a confirmação, a surpreender-me bastante. No fundo, e na senda de uns tantos comentários nos últimos tempos neste blogue, "Gato escaldado de água fria tem medo!"

Miguel Bordalo

Num país de crentes, um ateu... sou eu

Hoje Jacinto Lucas Pires, um dos grandes escritores da nova geração em Portugal, faz uma excelente crónica em jeito de apelo na Capital. Traça, de uma forma simples, razões pela quais Sampaio se pode apoiar para convocar eleições antecipadas. Já uns dias antes neste post, Mark Kirby, do País Relativo, tinha feito um exercício parecido. O GWL foi até criterioso. O Manel aqui no Pastelinho também, e muitos, muitos outros.

Mas querem saber, vou-vos contar... tão desiludido quanto vocês... Sampaio nem pôs a hipótese, nem vai pôr! Ele não está à procura de justificações, nem nunca esteve. Razões, como se diz, já tem ele de sobra. A verdade é que Sampaio quis sempre ver a justificação pelo outro lado, que era bom ter uma maioria, nem que isso significasse que ela não governasse bem, e que fosse uma maioria falsa, não eleita pelo povo. Nunca quis saber quem, quis sempre saber como, nem que, o "quem", significasse a personificação de tudo o que é incompetente e totalmente incapaz de executar as suas funções. Uma reunião no PSD bastou-lhe. Todos os problemas que este governo tem levantado resolvem-se com umas conversas e com uns avisos. Esta questão do ministro nem o vai incomodar ligeiramente, para ele será só um ministro, como muitos outros, noutros governos. A maneira como o ministro se demitiu, e as declarações que produziu serão sempre desvalorizadas pelo Presidente, nem que não seja porque não lhe foram dirigidas pessoalmente. Não tenho esperança nenhuma em eleições antecipadas, nem vou ter enquanto estiver lá este Presidente. E vão ouvir isto muito mais vezes aqui no Pastelinho, eu voto no candidato presidencial que me prometer que convoca eleições antecipadas! Terá o meu voto na certa! BE, PCP, PS e até PSD, pela maneira como as coisas vão!

Miguel Bordalo

Let´s jazz

tremazul

Rua do Alecrim 21 A 1200-014 - Lisboa

Não, não nos vendemos à publicidade. Mas diz que disse que esta é uma das melhores ideias que houve em Lisboa nos últimos tempos. Eu tenho a certeza que foi. E se nestes tempos estranhos nos pedem para estarmos sempre a improvisar, porque não fazê-lo com classe?
MCG


Agradecimento...

...pelo email, à Madalena Preto. E, a propósito, continuamos à espera de receber mais emails dos nossos leitores. Textos para publicar aqui no blogue, seja de que tipo for. Posts, críticas, sugestões, doces ou insultos. Protestem. Revoltem-se. Exprimam-se. O importante é mesmo debater ideias e agitar consciências!

Desgoverno total

Há governos maus com bons ministros e há governos bons com maus ministros.
Há excepções. Por vezes há governos dos quais esperamos muito e que não fazem nada e, outros, por outro lado, que não nos dizem nada mas que nos podem surpreender. Há surpresas.
Mas este não é um governo de excepções e surpresas, é um governo onde a regra é a falta de regra.
Claro que pode haver governos incompetentes com péssimas políticas. A democracia é assim. Agora, um governo não legitimado, incompetente e com péssimas políticas já é uma daquelas variáveis obscuras à república centro-africana.
Mas o nosso governo, o tal não legitimado, com ministros maus e más políticas, podia ser, no mínimo, ser sóbrio. Podia ser mau, mas não dar nas vistas. Mas este governo fere a inteligência de qualquer pessoa que não esteja no seu perfeito juízo sequer. Não só não é sóbrio, como é ostensivo e arrogante na sua profunda e irreversível incompetência.
Este filho ilegítimo de Jorge Sampaio e Durão Barroso, nesta mais que improvável união de facto, que resultou neste governo e na indicação para primeiro-ministro dum Kumba Yalá com trejeitos de forcado e fadista como Santana Lopes, tornou-se um rebelde perigoso. Para a democracia, para Portugal. E a corda esticou.
A corda dos amigos presunçosos e mal educados e das amigas peneirentas de Lopes esticou ao máximo. A corda dos asnos que pensam que os seus quinze minutos de fama não serão mais que isso, e que se vão rir -literalmente!- na cara de quem quis discutir a Nova Lei das Rendas, pessoas que vão ter graves problemas nas suas vidas por causa desta lei, em Lisboa, das ministras que convocam conferências de imprensa e depois dizem que não lhes apetece responder a perguntas, dos ministros da marinha que ainda não fizeram absolutamente nada senão mostrar que somos um país retardado e terceiro mundista, ministros que agem como boxeurs arraçados de pitbull, e que querem controlar, um dia, quem sabe, o que pensamos, depois de quererem controlar o que nos é dito (ainda mais!). E mais são os casos. Isto tem que parar.
É a lei do quero, posso e mando ao melhor jeito terceiro-mundista. Isto já não é competência, é consciência. Ausência total de consciência para exercer funções. Eu não quero saber se a oposição está pronta ou não. Eu não quero que Sampaio espere mais, nem que ele espere por saber que, quanto mais espera, melhor será para o PS e maior será o afundanço do PSD.
Porque agora, meu caro Jorge Sampaio, eu já não acho que isto seja uma questão política. Acho que deixar este governo no poder é um mero exercício de gozo. Vê-lo cair aos poucos, ainda que sabendo que um pouco dele (Sampaio) também vai caindo, há-de ter um qualquer encanto...a decadência e o fim, têm o seu encanto. Não é Presidente Sampaio?
Salve-se do fim Presidente Sampaio. Salve-se da decadência. Pense bem. Dissolva o parlamento, ponha este governo na rua. MCG

PS: Pensando melhor nisso, eu não quero que Sampaio pense, eu quero que Sampaio faça. E já. ELEIÇÕES ANTECIPADAS, JÁ.

Bela participação

Estavamos assim neste post quando descobri que o nosso comentador não aguenta mais de 50 comentários. Obrigado a todos, foi bem engraçado, os ditados ou sabedorias populares e a opurtunidade de conhecer pessoal novo. Vão aparecendo.

Homosconspiritus:
Ladrão que rouba ladrão, tem cem anos de perdão!

23:
QUEM TUDO QUER, TUDO PERDE !

PIRI:
QUEM PARTE E REPARTE E NÃO FICA COM A MAIOR PARTE, OU É PARVO, OU NÃO SABE DA ARTE.

balança:
"Olho por olho, dente por dente"

dias:
Isto está a correr bem…
Chouriço no pão é comida de lambão!

X:
Dias não é assim…é "presunto sem pão é comida de lambão!" Abraço

dias:
ok então X
Muito riso pouco siso!

Monteiro:
"Mais vale cair em graça do que ser engraçado."

X:
" Quem não tem cão caça com gato!"

dias:
"Para ser mulher de César não basta ser, é preciso parecer!"

Piri:
"Quem se mete em atalhos não se livra de trabalhos"

Dreca:
"Quem não quer ser lobo não lhe vista a pele"

23:
"Candeia que vai à frente alumia duas vezes."

The great white leader:
"Casa roubada, trancas à porta."

mafalda esteves:
cão que ladra não mia

dias:
Os cães ladram a caravana passa!

eskimo:
…no início ainda pensei que isto ainda estaria relacionado com o ministro dos pombos e do desporto, mas já vi que não… :P
"camarón que se duerme, se lo lleva la corriente."

X:
A galinha da minha vizinha é sempre melhor que a minha!

dias:
Não faças amanhã o que podes fazer hoje.

eskimo:
"del dicho al hecho hay mucho trecho."

MT:
sempre pensei que fosse cão que ladra não morde… desconhecia esse novo proverbio do miar.. mas és capaz de ter razão

mafalda esteves:
mas, mt, já viste algum cão que ladrasse e miasse??

dias:
Um azar nunca vem só.

isabel:
quem passa um dia bem, não os passa todos mal

Ogre:
mais vale cair em graça, que ser engraçado.

dias:
Isto já parece o Barnabé! Oh MT e se parasses de te queixar e deixasses uma bocadinho de sabedoria popular?
Todos os caminhos vão dar a Roma!

eskimo:
"más vale ser cabeza de ratón que cola de león"

X:
" a mulher do meu vizinho é sempre melhor que a minha!"

dias:
Estás a ver X! Normalmente é com a galinha, mas cada um faz com a que tem. ;)
Um azar nunca vem só.

23:
Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura

piri:
A cavalo dado não se olha os dentes

Andreia:
" A mulher e a sardinha, querem-se da mais pequenina."

Andreia:
" A mulher e a sardinha, querem-se da mais pequenina."

Nazaré:
QUEM FEIO AMA, BONITO LHE PARECE!

dias:
Imagino Nazaré, que isso tenha sido uma boca qualquer à sua filha… ;)
E gostei Andreia, da sabedoria machista!
Grão a grão enche a galinha o papo!
Reparem! Continuo a marcar pontos com os mais evidentes!

X:
" Mulher ao volante perigo constante! Depois dos 40 o perigo aumenta!"

X:
" Quem espera, desespera!"

X:
" Deitar cedo e cedo erguer dá saude e faz crescer!"

mafalda esteves:
quem semeia ventos, colhe tempestades

madalena preto:
depressa e bem, não faz ninguém

Andreia:
"De médico e de louco, todos temos um pouco."
Lembrei-me deste depois de ler o teu post surreal!

Nazaré:
"Não há pior cego que o que não quer ver"

Dreca:
" O hábito não faz o monge "

luis:
o hábito faz o monge

mp:
para grandes males, grandes remédios

luis:
vinho e amigo, do mais antigo

mafalda esteves:
pelo fruto se conhece a árvore.

MCG:
Se há ondas vai surfar porque amanhã nunca se sabe

dias:
Qual Barnabé! Vamos bater o PIPI!
Presunção e água benta cada um toma a que quer.

madalena preto:
é p bater recordes?? então cá vai disto:
A união faz a força.

Miguel Bordalo

Fica para o ano

Que pena, não deu para o Saca. Fica para o ano que vem.

Miguel Bordalo


FORÇA SACA!

Aqui vamos nós!

Hoje Surf na Internet

Amanha na água. Caro Manel 5ª na Ericeira?

Já estou a ouvir o nome do nosso Tiago Pires. Força Saca!

Miguel Bordalo

segunda-feira, novembro 29, 2004

Em honra de um tipo porreiro

O Zecatelhado é capaz de ser uma das pessoas mais porreiras da blogosfera, vou ao seu blogue várias vezes e é uma questão de tempo o seu link aqui no pastelinho. Tem atravessado um período difícil com o desfecho mais árduo.

São raras as vezes em que fico sem palavras, nestas alturas talvez fosse melhor ficar sem elas. Mas num mundo como o que vivemos as palavras são ímans que nos agarram à esperança. Uma perda difícil, um percurso, um caminho, um teste. A sombria caminhada de perder alguém é muitas vezes confundido com uma preparação, mas para os desfechos nunca se está preparado, por mais que as lágrimas se esgotem, por mais que as últimas saiam com esforço e rodeadas de outras com muito menos significado. O sofrimento e realização... parar e pensar - perdi isto para sempre... - uma gota de solidão abate-se no coração, e toda a ferida se abre com novas lágrimas revoltadas com a desesperante sensação de impotência.
Mas tudo isto acaba por passar, e o que foi antes tristeza torna-se felicidade, e as recordações que cedo fazem rir mais tarde instalam-se plenamente, e tudo o que é bom transforma-se numa memória mais forte que nunca, com tempo... dá-lhe tempo Zeca.

Miguel Bordalo

A nova guerra fria

Começou a evidenciar-se agora com a Ucrânia uma nova guerra fria, calada e nos bastidores. A Europa é a que se encontra mais disfarçada e neste caso da Ucrânia até tem o apoio dos EUA. A Russia dá mais a cara habituada ainda ao carimbo de superpotência, nem que seja caída e em pobre estado. O domínio por parte da Rússia da zona leste sofreu um rode golpe com o alargamento da UE, e não vão esperar sentados enquanto vêm a outra parte a criar laços com os europeus. O pressão vai ser cada vez mais forte e cada vez mais evidente, as zonas leste ainda por clamar vão ser nos próximos anos um foco de tenção imenso, e infelizmente quem vai sofrer realmente com isso são os seus habitantes. Alguns questionaram-se do porquê do alargamento tão repentino da UE, parece-me evidente mais do que nunca que é um resultado desta guerra muda entre duas forças secundárias no espectro mundial. A União Europeia tem de ganhar mais força militar, é inevitável! E não é a comprar submarinos que o vai fazer, terá de ser um esforço conjunto, imaginativo e progressivo. Eu sei! Sou de esquerda e estou a defender um reforço no espaço militar europeu. Mas eu não gosto que tenhamos de ficar reféns de uma superpotência déspota e muitas vezes idiota, e de uns ressabiados seguidistas que por acaso até são membros um pouco relutantes do projecto europeu. Se isso significar o federalismo? Não sei ainda, mas sem dúvida que sou um europeiaista e acho que devíamos ter mais argumentos para resolver situações como a da Ucrânia, sem correr riscos destabilizadores.

Miguel Bordalo

Os cegos e os déspotas,

Um post surrealista
Proibido ler àqueles que estão convencidos que não são loucos


Olho para o vazio silêncio da noite, um caixa escura grita-me – entra entra... – confiante vagueio pelos corredores imensos desta caixa minúscula e sinto o frio das suas paredes transparentes e lúcidas. Tudo faz sentido de uma maneira um pouco distorcida, HOJE viajarei quilómetros sem conhecer destino ou causa, amor ou finalidade! O mau alimento serão as interrogações que disparam pela minha cabeça como foguetes num feriado nacional importante. HOJE sou translúcido! uma folha que aterra no chão de mármore naquele voo dançante, aconchego-me à laje num vazio imenso, sou uma folha caída do nada... lentamente, repousante....
Continuo a caminhar naqueles corredores infinitos na incerteza de uma conclusão, tendo como única convicção que não chegarei lá assim caminhando, nem confortavelmente assentando no chão... Quem é que me enfiou nesta caixa? Quem é que me guia e me recebe neste chão frio, e estranhamente, cada vez mais confortável? QUEM?! Um relâmpago atinge-me o corpo, que num raio dispara pela caixa delirante! Iluminando tudo! Fazendo luz! Encolhendo os ombros uma enorme bancada de espectadores masturbando-se intensamente, prende-se no meu próximo movimento
Estou cansado, esfrego a cara de sono e desligo da realidade que me enfadonha, cansa-me até à medula que EXPLODE de actos condicionados e movimentos copulatórios. Embriagado fico no corredor sem fim a ver uma pequena televisão que se encontra na minha mão ligada ao meu cérebro, na televisão passa um “show” - a internet ao vivo com os famosos na ribalta - ... Qual deles é que eu sou? Qual dos famosos? Qual é o meu próximo movimento? Digam-me?
Um sentimento suicidário prende-me à vida como nada antes me prendeu! Nem o amor! Uma vontade de gritar até morrer! Uma vontade de EXPLODIR, uma vontade de me sentir vivo na altura em que o meu corpo todo EXPLODE estilhaçado, borrando todos os corredores de merda e miolos claramente desperdiçados! Quem sou eu? O que foi que fiz aqui? Finalmente enquanto se escorrega nas paredes, o meu cérebro começa a funcionar, será porque independentemente de estar a escorregar junto à merda, já não está ligado a ela por nenhum tubo digestivo ou aparelho coronário? É por isso que funciona? É por ali, sussuram-me

Ok então... veremos

Miguel Bordalo

domingo, novembro 28, 2004

Isto é que é estabilidade senhor Presidente?

Mais uma demissão neste governo com três meses? Quatro? Parece-me bastante mais!
O ministro do desporto e da juventude demite-se e com umas declarações muito "estranhas": "a vida política e o exercício de cargos públicos sem uma relação de lealdade entre as pessoas", "o exercício de qualquer missão privada ou pública, sem o mínimo de estabilidade e coordenação".
Aí a estabilidade senhor presidente! Aí a estabilidade! Já alguém me dizia agora “Está a desmantelar-se o consulado de Santana Lopes!”

Miguel Bordalo

Uma batalha à esquerda

No outro dia num daqueles post’s bem característicos deste blogue, um texto impulsivo, sem grandes ponderações politicamente correctas, o Manel fez uma reflexão sobre a esquerda. Essa reflexão atacava o BE, que tem ultimamente atacado mais PCP. De facto esta luta entre o PCP e o BE sempre foi mais valorizada pelo BE, mas o este congresso do PC já mostrou que o partido sentiu a picada, e apesar dos discursos desconhecerem o Bloco, nasceu uma indicação (tipo centralismo democrático) que vai querer entrar nesta batalha de protagonismos de esquerda.
Nos comentários ao post dois membros do Blogue de Esquerda insurgiram-se contra ele, mas o mais curioso nestes protestos nem é a luta do protagonismos em si, e quem é que tem razão ou não, é o último comentário do Luís Rainha:
“Quanto a isso da "esquerda" dever estar solidária ou coisa que o valha, deixa-me dizer-te que o PCP é hoje um partido profundamente conservador; só "formalmente" é que se afirma de esquerda.”
O que é que isto significa? Que o BE e o PC vão querer discutir quem é que é de esquerda ou não? Na minha opinião não me importa que o BE não tenha eleições internas, e que desde o inicio os seus líderes sejam os mesmos. Tal como não me impressiona o “centralismo democrático” do PCP que imagino seja a única critica que se possa fazer ao comunistas, visto que é uma forma estilizada de se dizer que a minoria tem de engolir sapos. Eu não me submeteria a isso, mas admito que outros o façam. O que realmente interessa para discutir a “ontologia” de esquerda de um partido não é o que se passa no interior de um partido é sim o projecto que este tem para o país. E nisso, curiosamente o BE e o PCP não divergem em praticamente nada! Estes vão manter a batalha nos próximos tempos, só espero que os dois se mantenham com representações claras que eu gosto da heterogeneidade da vida parlamentar. Porque quem é realmente de esquerda como eu nunca pode contar totalmente com o PS.

Miguel Bordalo

sábado, novembro 27, 2004

A ver se consigo fazer isto...

Vem aí o fim-de-semana e ainda hoje vou acordar às 6.45 da matina para ir surfar com o meu amigo Alex para Ribeira D’Ilhas. Não sem antes deixar isto... Um de cada vez se faz o favor, passatempo de fim-de-semana:

“MAIS VALE UM PÁSSARO NA MÃO; QUE DOIS A VOAR.”

Miguel Bordalo

sexta-feira, novembro 26, 2004

Porque Paraíso Fiscal...

É Paraíso Fiscal! E não outra coisa qualquer! Olha que lata!

Miguel Bordalo

3, 2, 1 Acção!

Liguem os gravadores! As cassetes vão ecoar este fim-de-semana! O 17º congresso do PCP abriu portas com um bom discurso de Carvalhas, que numa das principais mensagens tentou recuperar a moral dos membros do partindo, explicando que os apoiantes do partido eram pessoas essenciais para a vida na sociedade portuguesa, pilares na sua estrutura. E eu concordo.

Mas é triste, num partido com gente tão inteligente que não se possa discutir mais abertamente os problemas, é uma decisão que concerne a sobrevivência do partido, mas que lhe retira capacidade intelectual. Também não me apraz muito o facto que o líder à partida já está escolhido. Ao contrário do PS mas um pouco à imagem do PSD. Deviam os comunistas ter alternativas, e votarem até de braço no ar se fosse preciso, gostava de ver o que é que acontecia ao partido se isso acontecesse. Porque não PCP? Provoquem um bocado! Abanem as instituições! Arrisquem um bocadinho! Votem de mão no ar! Já foram clandestinos antes quando não vos queriam, é assim que o vosso futuro vos pode sorrir! Este fim-de-semana TUDO A VOTAR DE BRAÇO NO AR!

Miguel Bordalo

Aviso ao PS

Já aqui no Pastelinho avisamos para a má prestação de Sócrates como líder do PS, e principalmente líder da oposição. É imprescindível que retome o seu lugar, que se torne mais activo e que se rodeie mais das pessoas certas e não daquelas a quem deve qualquer coisa. Tenho realmente muitas saudades de Ferro.

Daniel Sampaio apercebeu-se disso, talvez um pouco tarde, não? Mas hoje novamente na Capital, avisa para o problema de que este governo, não por mérito, mas por contingência vir a melhorar a sua imagem junto dos seus votantes. E já também nos fartamos de avisar aqui no Pastelinho: NÃO SUBSTIMEM ESTE GOVERNO, e esta gente que o lidera, são pessoas perigosas, muito populistas e ainda podem vir a enganar muita gente!

Miguel Bordalo

quinta-feira, novembro 25, 2004

Infelizmente inevitável

Ontem fiz um post sobre a questão das mulheres mal tratadas. Mas hoje a questão do dia foi outra. Se ontem me referi à violência doméstica contra as mulheres como a última cobardia, hoje sobre o abuso de crianças não há palavras. Insanidade já nem é palavra que descreva a situação, é uma doença? Um desvio radical? Um crime infame? A fragilidade de uma criança abusada vai para além do que é compreensível, a fragilidade de uma criança já por si enfraquecida por uma situação de abandono... As imagens põe-me doente. O mundo anda doido...

À entrada para o tribunal aguns dos culpados ou inocentes tiveram de passar por um local completamente perdido. Jornalistas com a cabeça perdida, que se agridem uns aos outros para a melhor imagem, pessoas mórbidas e desocupadas, que abandonam o chato quotidiano para insultar ou apoiar seja quem for, polícias desesperados, claramente em desvantagem e com a situação sob descontrole! A histeria total.

Deixem o tribunal tratar do que tem a tratar, que já é bastante dificultado por questões já por si incompreensíveis. Hoje ao ouvir certos comentários pareceu-me preocupante o facto de muitas das provas obtidas na fase de inquérito, poderem vir a não contar por questões processuais... Vou esperar com calma e com alguma expectativa o resultado desta “pantomina” toda!

Miguel Bordalo

Estado de espírito para hoje

thetherills

MCG

A derradeira cobardia, mais um post sobre insanidade...

O nosso mundo está desfigurado, sempre esteve... no outro dia a falar sobre a Palestina com um amigo, um tipo interveio e disse – O problema da Palestina já vem de há dois mil anos! – eu esqueci-me de lhe dizer que era um problema diferente...
Os tenções culturais com que nos deparamos neste momento colidem com o nosso ideal ocidental, que sobrescrevo, mas não quero impor. De que a igualdade é fundamental para vivermos em harmonia, para um futuro mais fraterno, mais justo. Quero crer que o valor de uma vida vale por si só, sexo, idade, posição, trabalho são designações biológicas ou biográficas que valem o que valem, são estruturantes servem para nos guiar neste mundo louco, em que nos encontramos todos com medo, cada vez mais diminuídos...
Sabem, é noite, o meu quarto está escuro, está a dar “Uma família às direitas”, a minha família está a dormir sossegada, acabei de falar com a minha namorada, amanhã vou fazer surf com o meu amigo para a Ericeira... Vivo num mundo tranquilo...

Quando entro em casa não imagino nada senão tranquilidade e conforto. Mas hoje, enquanto vos falo, há várias famílias neste país, não no Iraque, (onde hoje devem ter havido mais massacres), aqui em Portugal há uma batalha a ser perdida. Uma batalha que começa na desigualdade cultural que subsiste no nosso sentimento ocidental! Hoje uma mulher entrou em sua casa e dividida entre o amor dos seus filhos e a sua saúde mental, enfrentou o medo da inevitável chegada do seu marido. As dúvidas se hoje será um dia bom ou um dia mau, se os filhos estão a salvo, se vai ser longo ao rápido aquele furacão, aquele desastre que ela aprendeu a lidar como familiar...
Este medo intimista que pode levar a um ponto de não retorno. É uma luta diária de muitas mulheres abusadas. A violência doméstica abate-se também nas crianças, mas hoje uma notícia no Público anunciava que morrem 50 mulheres por ano vitimas de violência doméstica em Portugal. Vocês conhecem maior cobardia que aquela que nasce no centro de uma família? Aquela que viola a fragilidade de um ser humano que nos é próximo, que vive numa suposição de confiança?
...

Miguel Bordalo

quarta-feira, novembro 24, 2004

Boa escolha

A minha primeira reacção ao saber da notícia da remodelação governamental que hoje foi feita, só pode ser a dar os parabéns ao nosso primeiro-ministro pelas reajustamentos efectuados. Aplaudo, sobretudo, a escolha de Henrique Chaves para Ministro da Juventude e do Desporto. Finalmente uma decisão correcta e, sobretudo, compreensível deste Governo.
Que melhor escolha para o Desporto do que um desportista nato como Henriques Chaves? E que melhor exemplo para a Juventude do que um ministro cujo desporto favorito é atirar a pombos -entenda-se, por desporto- em vez de pratos ? MCG

Competitivo... eu?

Sabem não é por acaso que quando vou ver um Benfica – Porto, apesar de saber que é mais difícil, e nos últimos anos quase impossível o meu Benfica vencer, nem que não seja por ajudas exteriores. A verdade é que a expectativa de a história mudar de rumo, ou o Benfica deixar de ser roubado, (e o meu clube golear o Porto), fará sempre com que eu vá ver ao estádio aquele jogo, e dizer que estive lá!

O PP hoje deixou claro, apesar de não querer, de maneira nenhuma que fosse claro, que nas próximas legislativas os dois partidos de direita vão a votos sem estarem coligados. Não havia condições de parte a parte. Mas a verdade é que esta é a formula mais eficaz que os partidos do governo têm de fazer frente à esquerda nas próximas eleições. As próximas eleições são fundamentais para este país nos próximos anos. Aliás, com as mudanças verificadas no espaço europeu, e com este governo, já andamos a perder terreno essencial! Mas queria eu constatar a minha felicidade em encontrar os dois partidos de direita separados. Acho que mesmo antes do congresso do PSD essa escolha parecia inevitável, já que os dois partidos juntos seria a desgraça! Mas uma desgraça com muito PP presente à mesma....

No fundo o que eu quero dizer é que o PP separado corre o risco de desaparecer como partido! Mais! Um mau resultado do PSD retiraria Santana da liderança de um partido importante para a democracia em Portugal como é o PSD. Estes partidos merecem melhores lideranças. Apesar de que a minha formação de esquerda não se importaria de ver desaparecer o PP mapa político. Seria com certeza como ver uma derrota contundente do FCP contra o meu Benfica.

Miguel Bordalo

Mas quem é que manda?

Esta era uma das perguntas que os partidos de oposição mais devia fazer no parlamento sobre variadas formas, mas quem é que manda afinal? O PP tem não só ministérios importantíssimos, inclusive o mais importante, nas mãos de Bagão Félix, e impede o PSD de fazer muitas coisas que quer. Paulo Portas bate o pé! E! Sho! Quieto! O PSD cede envergonhado...
Neste caso é muito grave, a proposta do PCP sobre a suspensão dos julgamentos pela prática do aborto, que inicialmente estava a ser ponderada pelo PSD, porque alguns responsáveis por esse partido ainda têm dois dedos de testa, caiu por terra porque o PP assim o quis.
E realmente... este governo é tão mau tão mau, que a sua pedra de toque é que quando se tenta fazer algo bem, há alguém que pára imediatamente com a iniciativa! Se vai ser para a desgraça vai ser para a desgraça, não é senhor Paulo Portas?

Miguel Bordalo

Finalmente um bom texto sobre o PCP

Só podia vir de quem veio! Pedro Adão e Silva faz na Capital uma boa análise ao PCP, não é favorável, mas principalmente não é ressabiada como aquelas que tenho lido. Ponto por ponto e tudo encaixa. Concordo com praticamente tudo e também estou na expectativa para ver o que acontece a este partido.

Miguel Bordalo

Ericeira a concelho

ericeira

MCG

terça-feira, novembro 23, 2004

O autocarro que todos perdemos

Depois do My Moleskine esta foi mais uma perda irreparável para a blogosfera. O Paragem de Autocarro acabou. Pena é que o blog foi apagado e nem com uma linha nos podemos contentar para matar saudades. Mas quem conheceu o blogue, sabe que só podia ser assim. Sabe que aquele blogue era uma janela aberta, com uma vista fantástica, mas que se podia fechar ao mínimo sopro de vento. Eu sabia que este blogue ia acabar assim, de um modo genial como foi a sua escrita, desde que o descobri há sensivelmente um ano. Quase que blogger chega a ser uma palavra ofensiva para a autora do blog, a Isadora. Ela foi mestre sem cerimónias no seu mundo, com uma escrita deliciosa, com momentos verdadeiramente geniais, e, acreditem não estou a exagerar nas palavras. Tive pena de não poder acompanhar o blogue nos seus últimos tempos, mas a última vez que o li consegui ler-lhe alguma desilusão e antevi, até porque as suas palavras assim o sugeriam, o seu fim. Até sempre...que será quando? MCG

Sou crente

E isso hoje em dia quer dizer que se acredita que Jorge Sampaio vai dissolver o parlamento e convocar eleições. Acreditem irmãos. MCG

Reflexões à esquerda

Tenho defendido aqui algumas vezes o Partido Comunista não por questões de militância ou de ideologia, mas sim por uma questão de justiça, do mesmo modo também aqui defendi o PS de Ferro Rodrigues e defenderei toda e qualquer esquerda que defenda os seus valores, as suas causas e os seus ideais de um modo manifestamente sério. E por seriedade entendo postura, comportamento, verticalidade, não só nas palavras mas também nas acções. Pouco me importa ser socialista e defender o PC ou ser esquerdista e defender o PS. Não tenho que ser "isto" ou "aquilo" para ter esta ou aquela opinião. Ou melhor, não é só ser "isto" ou "aquilo" que me faz ter "esta" ou "aquela" opinião. Aliás, vou esclarecer: eu, neste momento, não me reconheço em absolutamente "nada". De qualquer modo, os complexos intelectuais de esquerda são contos de (ou para) outro vigário.
Tento neste blogue ser o mais justo possível, o que por vezes sei que não é completamente possível, mas vendo outros casos, sinto-me bem mais descansado. A minha convicção é reforçada depois com a seriedade -esta palavra hoje em dia chega a parecer estranha- da resposta de alguém que teria tudo todos os ingredientes para não ser isento, mas que prova, realmente, que a justiça é uma questão de príncipio(s!) e não uma bola de ping pong partidária.
Indigna-me muito que, numa altura muito delicada para o PC -todas as pessoas verdadeiramente de esquerda deviam estar preocupadas e não a esfregar as mãos de contentes- os abutres não parem de rondar. Luis Rainha e Daniel Oliveira, dos piores anti-comunistas que já tive oportunidade de descobrir, cada um nos seus galhos de "esquerda", voltam à carga. Quase que chego a concordar com algumas coisas que Luis Rainha diz, mas depois, o essencial da ideia do seu post Porque morre o PCP? - e ele far-me-à o favor de corrigir se eu estiver engando- gira à volta do pretenso apego ao poder, ou ambição de poder duns quantos militantes comunistas, os tais "ortodoxos", uma ideia que perde toda a coerência quando nos lembramos que, se estamos a falar em "ortodoxos" é porque também há "renovadores" e o Luis Rainha esquece-se de questionar, sugerir ou afirmar se os ditos "renovadores" também fizeram dessa ambição o mote da sua acção, que, essa sim, é pública e notória (a acção renovadora).
Porque se, como diz Luis Rainha, há uma luta pelo poder, presumo que haja mais que uma facção a lutar em prol do "apego ao tacho". Ou não?
É que nesse caso a suposta superioridade moral dos renovadores -porque a palavra renovar, em príncipio é positiva- cai pela base da ambição pelo poder.
E depois, este apego geral da "nova esquerda" à causa renovadora, esta suposta pena tem tão só haver com a constatação de que a tal renovação é uma causa perdida e as causas perdidas são sempre as mais apetecidas, para quem está de fora, as mais glamourosas. Sobretudo porque "aqueles" já não contam para outras lutas e "os outros" serão menos e mais fracos e isso é que é bom. Assim sendo, quem não está no poder - afinal de contas tudo isto foi resumido a uma luta fracticida pelo poder- e de quem, assim, não incomoda nem incomodará, merece as palmas com luvas de seda da malta do caviar (mas que não renega as origens e ainda não aprendeu que o caviar não se come com as mãos). Perde a esquerda, em toda a linha. Com este "novo" PC é certo, mas com esta "nova" esquerda, também. MCG

PS: O facto de eu achar asqueroso que agora se tomem por "melhores" aqueles que ontem eram tidos como "piores" é meramente acessório neste post, mas fica a nota.


Uma no Cravo outra na ferradura

Ao ler o Público on-line hoje, sou confrontado com duas notícias diferentes envolvendo o Sr. Presidente da República! Eu até pensava estar noutro país visto o esforço do PR de desaparecer, qual fantasma! nestas últimas semanas!

Com esta notícia fico convencido que o senhor Presidente não sabe bem o que se passa na Ucrânia!

Mas com esta notícia já concordo plenamente com Jorge Sampaio. Se esta freguesia não encontra os parâmetros para se tornar concelho, também não concordo que se crie um precedente deste tipo. Porque criar concelhos custa a todos muito, e não se pode cerder a este tipo de trasformações por desejos ou caprichos de uma população! Mas a discussão está em aberto e podem fazer-me mudar de opinião, dificilmente, mas podem. Só por esta vez estou do lado do PR.
E porque também não tenho dúvidas que Jorge Sampaio nada teve a ver com os confrontos entre os populares e a GNR. Sim, não é por acaso que a GNR está no Iraque, o controle não é presidencial, infelizmente! E é o máximo que digo bem do Sr. Presidente nos próximos tempos, porque continuo muito desiludido com ele.

Miguel Bordalo

segunda-feira, novembro 22, 2004

Afinal é político

Estava enganado, pelos vistos, quem sabe, e o Presidente vetou a Central de Comunicação por questões políticas. Não ponho a minha mão no fogo! Apesar de que esse não ser o problema deste presidente, o problema deste presidente é, e continua a ser manter este governo. Isso é que é uma chatice!

Miguel Bordalo

Zás Trás Pás

O blogue do Alex andava adormecido, tive até de lhe recordar do seu adormecimento no seu último post antes do renascimento! Pois de repente! Zás trás pás! E em três horas faz mais post’s que eu em três semanas, e repõe a ordem natural das coisas! Informa até que o seu blogue fez um ano. Então está de parabéns!
Há por aí mais gente a fazer anos que eu já vi, mas não tive tempo para assinalar a data e esqueci-me. Estão todos de parabéns, porque um ano na blogosfera é mais que um ano de cão!

Miguel Bordalo

Frase no fórum mulher na TSF

?Maria Lurdes da Costa? depois de um discurso calmo e ponderado, onde atacava o PS pela sua inactividade perante as questões do aborto, vira os seus canhões certeiros para atacar o PP e Paulo Portas e diz – “Porque esse senhor odeia as mulheres... Já que ele não foi parido foi cagado!” - A jornalista da TSF ficou a gaguejar não conseguindo interromper enquanto ?Lurdes?, novamente ponderada, continuava a atacar o governo e a sua incapacidade para resolver problemas. Fiquei tão surpreendido que não consegui parar de rir até começar a escrever o post. A postura com que o disse, só ouvindo!

Miguel Bordalo

Presidente preocupado com o déficit

Já que ninguém mais o está, uma das razões para o veto presidencial à central de comunicação é o estado económico do país. Entre outras razões espero! Porque a ideia de uma central de comunicação sai totalmente dos quadros de uma política pública normal. Serve apenas o poder e não a estrutura, ou o país. Uma central de comunicação é uma perversão do sistema, ainda que como Sarmento o diz, muitos outros países a tenham. Não estou à espera que Sarmento entenda, é como o sistema de financiamento dos partidos, que provavelmente se Sarmento levasse avante já estaria nas mãos dos privados! É novamente uma perversão do sistema, uma espécie de um corrupção legal. Tal como a central de comunicação. Porque a corrupção é por definição a arte de criar dificuldades para gerar facilidades, e esta central encaixa de certa maneira nesta definição. Podemos até governar mal, mas publicitamos o contrário e ainda lucramos com isso.

O Presidente, descobriu-se, dá como uma das justificações as condições económicas do país para parar a central. Um dispêndio de dinheiro que se ia reflectir no déficit certamente...? Pois ao menos que seja ele a cumpriu a sua própria promessa, que há vida para além do déficit, mas que ia ser vigilante do governo que empossou relativamente à necessidade de este manter as mesmas políticas que o anterior! Ultimamente ando tão confuso que já não sei se isto é o contraditório, ou se ele consegue cumprir duas “promessas” diferentes numa cajadada só! É como este país vai... confuso...

Miguel Bordalo

Uma descrição certeira!

Daniel Sampaio em mais um ataque ao governo, descreve na Capital o congresso do PSD e as suas consequências de uma forma certeira. Este texto vem atrasado no Pastelinho por variadíssimas razões, mas a mais evidente é que não tive grande tempo para postar na sexta, quando saiu a sua crónica e não tive cá (vulgo Lisboa) no Sábado, nem no Domingo. A descrição é muito bem feita, merece leitura atenta. E como já sabemos que na capital não dá para fazer links directos (ou pelo menos eu não sei como) passo o texto na integra aqui.

" O GOVERNO TITANIC

O Congresso do PSD conseguiu ser mais insólito do que tinha previsto na minha crónica da semana passada. Os discursos do líder do partido oscilaram entre a ausência de conteúdo significativo e os pedidos de apoio mais ou menos directos, numa encenação rotineira que não despertou entusiasmo. Factos dignos de realce: a colocação na grelha de partida dos candidatos ao pós-santanismo e as considerações sobre o astral dos portugueses. No primeiro caso, o Dr. Marques Mendes, numa intervenção cuidada mas sem a transcendência que alguns lhe atribuiram, disse a todos que é preciso contar com ele no futuro; no segundo, o Dr. Santana Lopes tentou apenas garantir a sua sobrevivência, já que de acordo com o meu dicionário Houaiss astral « é uma pretensa substância sobrenatural que perpassa o espaço por inteiro e constitui matéria de um segundo corpo que acompanha cada indivíduo durante a sua vida, podendo livremente afastar-se dele, e que sobrevive após a sua morte». Como o Congresso decidiu (no íntimo de cada delegado) a morte política do líder, é natural que este invoque os astros para continuar depois de morto.
O pior estava para vir. Depois da criação de uma «Academia para o Governo Electrónico» (sic), o «governo» menos capaz de que há memória para produzir qualquer espécie de conhecimento veio afirmar que já chega de Sociedade de Informação, é chegada a altura de passarmos a outra fase, a da Sociedade do Conhecimento. Parece que este superior desígnio custará bem caro aos portugueses, mas terá a vantagem crucial de garantir empregos a adeptos de actuais ministros, antes que seja tarde. Depois, houve ruído. O parceiro pequenino da coligação que nos «governa» estrebuchou um bocado, pois sentiu-se maltratado pelo mano grande. Seriam questões de família que não interessariam a ninguém, se não evidenciassem fragilidades e entendimentos meramente tácticos, em parceiros que se mantêm coligados apenas para partilhar migalhas de poder. Estávamos a pensar se os manos do poder se aguentariam, tais as notícias de traumatimos psicológicos causados no pequenino pela arrogância do maior no Congresso, eis que surgem novos problemas: demissões na RTP por alegadas pressões. Os desmentidos não foram convincentes, porque todos sabemos que a questão vem de há muito, quem acredita que o problema só agora surgiu? E haverá alguém que tenha sonhado que um dia um ministro da tutela virá, de mão no peito, pedir desculpa e dizer: «perdoem-me, eu pressionei»? (nem mesmo o Dr. Gomes da Silva disto será capaz).
E ainda há mais, foi uma semana fascinante, inesquecível, como dirá o Dr. Morais Sarmento. Como existiam pessoas maldosas a dizer que o Dr. Paulo Portas tinha sido nomeado Ministro dos Assuntos do Mar sem disso ter tido prévio conhecimento, por que razão não aproveitar a embalagem do congresso e fazer um Conselho de Ministros a bordo de um navio? Vimo-los então enclausurados numa acanhada cabina, depois de chapelinho à marujo a dizer que estava tudo bem, «tinha sido um Conselho de Ministros histórico». Não se percebeu muito bem o que os nossos pescadores lucraram com a reunião, mas lá que este conselho vai ficar na história não tenho dúvidas.
Para mim, lembrou-me a história do Titanic. Era à partida, segundo a propaganda, um barco notável. Depois, como ficou sem rumo certo, teve um acidente e começou a meter água. Muita gente se apercebeu do fim que se avizinhava (a começar pelos ratos que fugiam desesperados) e tratou de salvar a pele. Era preciso, todavia, fingir que tudo estava bem, por isso o comandante mandava tocar a música sem parar.Sabemos como a história acabou, o barco foi mesmo ao fundo. E por isso este «governo» é o governo Titanic: pode tocar a música que não engana ninguém. Falta saber quantos ministros terão lugar nos botes salva-vidas, apressem-se que não há lugar para todos.

Daniel Sampaio "

A discrição do Titanic é muito boa!

Miguel Bordalo

domingo, novembro 21, 2004

As ondas que para sempre perdi



Há fases da nossa vida em que não sabemos onde nos encontramos. Entramos para um mar inóspito e estranhamente atraente, mas apenas podemos desconfiar no nosso papel ali. De facto estivemos muitos de nós lá fora a ver o mar, a aprendermos com outros, a prepararmo-nos para a vida, mas quando entramos... quando entramos é outra história. Onde é que me encontro? Que lugar é o meu? Onde é que pertenço? Onde é que está a onda que eu quero apanhar? E o dilema, mesmo quando já conheço bem o mar é se vou querer uma surfada pacata, uma vida sossegada, e fico onde as ondas normalmente rebentam? Ou quero algo mais? Valerá a pena esperar pelo set? Mais altos voos? Mereço tentar? Ou quando ele aparecer e ao esperar impaciente perco o sentido das coisas e apanho com o vagalhão em cima? Perdendo a grande oportunidade?... Tentar outra vez? Todos sabemos que há trambolhões que não vamos querer dar outra vez. Até porque o fundo naquela altura pode enganar-nos e estarmos uma surfada inteira a desfazermo-nos todos para levar com o vagalhão que se quebra todo sem criar oportunidades... No fundo é um dilema, que quando a água está fácil, não será tão complicado... mas nesta vida a água raramente está fácil.



O surf foi algo que realmente veio perspectivar a minha vida de uma maneira totalmente diferente. Não posso dizer como alguns que é a coisa mais importante da minha vida. Tenho prioridades maiores, é certo. Mas o desejo de estar na água é algo impressionantemente forte! Invejo sempre o amigo que me diz que naquele dia é que esteve bom, naquele dia esteve perfeito. Mas curiosamente também invejo aquele amigo que me diz que não, que ontem não esteve nada de especial... Se ele esteve lá dentro e eu não, invejo-o à mesma! É por isso que para estar minimamente bem comigo próprio tenho de entrar pelo menos duas vezes por semana, que é o mínimo!



Estas minhas reflexões são hoje feitas porque à coisa de uns dias o Ondas fez um ano. O meu amigo e colega de blogue faz parte dos “quadros” daquele enorme blogue, o preferido de muitos na blogosfera, um dos meus preferidos sem dúvida. O pastelinho tinha que assinalar a data e não podia ser o outro pastel a fazê-lo! Mas a verdade é que muitas vezes ao abrir aquele blogue deparo-me com imagens brutais de ondas brilhantes! Com paredes enormes, tubos perfeitos, formas ideias para a prática de viver nas ondas... e muitas dessas ondas não têm ninguém! Nem muito menos está alguém dentro de água... O que me aflige porque há por aí muita onda perfeita para ser surfada sem ninguém a aproveitar... e quer dizer! Podia ser eu! A viajar nas ondas que para sempre perdi...

Miguel Bordalo

sexta-feira, novembro 19, 2004

E agora, Lisboa?

Com um PCP obscuro, um BE em saltos altos e um PS orgulhosamente só, que futuro para a nossa cidade?
Era muito bom que se reunissem os consensos necessários para uma frente de esquerda para Lisboa, porque não importa só ganhar. É preciso esmagar. E não faço deste desejo um qualquer tipo de apelo para outros futuros entendimentos, porque sei -sabemos- que são impossíveis noutros momentos, noutros contextos. Neste momento fala-se de Ferro Rodrigues com candidato socialista para Lisboa, o que será um sinal que, ao contrário do que me chegou a parecer, os consensos à esquerda poderão aparecer. Quando e como não sei. Mas desejo-o.
MCG

Um dos melhores de sempre

Este Bartoon de Luís Afonso é dos melhores de sempre!



Luís Afonso, Bartoon, no Público

Miguel Bordalo

Não tenho dúvidas

E aliás estaria no lado dos insurrectos!

Miguel Bordalo

Isto será uma pergunta ou um enigma em três partes?

A pergunta hoje aprovada em acordo PSD/PS é a certeza que a abstenção no dia da votação vai atingir records!

“Concorda com a Carta de Direitos Fundamentais, a regra das votações por maioria qualificada e o novo quadro institucional da União Europeia, nos termos constantes da Constituição para a Europa?"

Entender a pergunta é só o primeiro dos problemas, está mal feita porque contem três questões importantes na mesma. Também não concordo com o BE e com o PCP que querem fazer uma única pergunta global. Na minha opinião ou se dividem as perguntas e explica-se muito bem o sentido de cada uma, ou mais vale não fazer um referendo. Porque sinceramente, neste momento estou inclinado em votar contra apenas porque acho que vamos fingir que podemos escolher algo que já está assinado. Mesmo se corressem o perigo de perder no referendo a abstenção faria com que não fosse vinculativo. E no fundo é essa a razão da despreocupação dos dois maiores partidos representados no parlamento. Eu sou um europeista mas acho que este referendo é uma farsa! O que enfraquece a posição da própria Europa, que assim se vai construindo sobre alicerces frágeis.

Miguel Bordalo

quinta-feira, novembro 18, 2004

Mais uma Sarmentada!

É por demais evidente por esta altura, que há pressões por parte deste governo, e deste governo em especial, aos órgãos de comunicação social. Só não vê quem não quer.
Hoje, Morais Sarmento participou em mais uma, em directo e ao vivo, atacando a Alta Autoridade para a Comunicação Social descredibilizando este órgão de um modo que pode ser entendida facilmente como uma forma de pressão generalizada a todos os órgãos de comunicação social. Este é o ataque mais vil e mais brutal que só podia ser perpetrado por este governo e, em especial, por este ministro.

E o Presidente? Continua na sua abstenção verbal? Nada tem a dizer? Vai manter-se impávido? Começa a ser um exagero...

Realmente, nunca tive esperança que a AACS fizesse algo que resultasse. Só posso concordar com Sarmento, defendendo com ele que esta comissão seja substituída por uma com poderes reais para tirar o próprio Sarmento do lugar que ocupa.

Miguel Bordalo

Mas afinal...?

O discurso de encerramento do Orçamento de Estado é para falar do próprio orçamento ou de um partido da oposição?

Miguel Bordalo

Durão nacional?

No meu último post falo sobre um agente da CIA, bem... mantenho-me na mesma senda...
Já escrevi aqui um post sobre a necessária globalização da nossa maneira de ver o mundo. Que não podemos analisar seja que política for, seja que acção for com a perspectiva de o que é mais benéfico para certo país e não para outro. O exemplo? O prestige: eu não fiquei especialmente contente por não ter vindo para Portugal, numa visão global, o desastre foi o derrame e tudo o que trouxe consigo.
Durão Barroso tem tido ultimamente um apoio neste país que subsiste numa ideia de que é bom para Portugal porque ele é português. Ora eu não aceito isso. Para mim a comissão europeia é importante e deve ter na liderança alguém capaz e com quem eu concordo ou me identifico! Ora eu não acredito em Durão Barroso. Eu quero lá saber qual é a sua nacionalidade? Não quero. Não é isso que interessa. É por ter um BI do meu país que eu o devo apoiar? Ontem num debate na TSF um deputado europeu do PP defendia esta importância de ter um português na comissão europeia. Se eu fosse a deputada do PCP Ilda Figueredo perguntava ao deputado do PP se o caso fosse, que ela deputada comunista tivesse sido proposta para a comissão europeia, se ele, com toda a bagagem ideológica que também tem, e com uma resposta honesta, se votava nela?
E lá foi Durão aprovado hoje, infelizmente!

Miguel Bordalo

Macgyver a minha figura juvenil

Aos fins-de-semana sabia sempre onde estava, à frente da televisão! Uma hora de puro prazer desde a música à engenhoca mais impossível, o Macgyver era o meu herói, nas minhas brincadeiras também não gostava de armas, preferia o murro certeiro que adormecia instantaneamente o inimigo. Fartei-me de fazer engenhocas no meu terraço que também não resultavam em nada, mas fazia de conta, tal como o Macgyver!

Mas ontem este personagem partiu-me o coração! Estava eu às tantas da noite a fazer zaping, com um insónia estranha, e parei no Macgyver... então não é!?!?!?! Que ele estava a falar com um doido qualquer sobre a sua experiência como ESPIÃO DA CIA!!!!!!!!!
Sabem, era para abrir o computador imediatamente e insultar o Macgyver... porque já me tinham informado, (o Manel já me tinha informado!), que o tipo era um espião da agencia secreta... E EU DEFENDIA-O! Mas preferi esperar e manter um certo nível no Pastelinho...

Sabem... odeio espiões... sejam de que agencia forem, excepto Bond, porque esse tem classe. Bem se calhar até gosto de mais e não sei que eles o são. No fundo é esse o objectivo do espião... Mas eu!?! Eu que sempre fui um obcecado em analisar a propaganda norte americana, deixei esta passar... Raios!

Miguel Bordalo

quarta-feira, novembro 17, 2004

E por hoje chega

A alternativa à alternância somos nós e a nossa capacidade de pensar que nem só do sonho vive a mudança do estado de coisas . MCG

Onde está o ortodoxo?

Falando em "linhas duras" e "ortodoxia", que seriam as expressões mais ouvidas esta semana não tivesse o Pinilla marcado um golo, e que aparentemente e ao que consta em todo o lado, tomaram conta do Partido Comunista, deixo-vos com esta preciosidade, made in Barnabé, dum comentador habitual, diria compulsivo quando se fala do PCP, um tal de Lavoura, que no panorama do anti-comunismo primário, torna o Daniel Oliveira num menino de coro:

O PCP não é um partido de esquerda. É um partido altamente reacionário em termos de costumes e de visão da sociedade. Vê uma sociedade imobilizada, fossilizada, sem progresso. Uma sociedade pequeno-burguesa. É um partido que defende os barbeiros de esquina que sobrevivem à custa de pagarem uma renda baixíssima. É essa a sociedade, essencialmente pequeno-burguesa, que o PCP defende.

E agora, de "ortodoxos e linha dura" para "ortodoxos e reciclados", para terminar, alguém acredita que o Daniel Oliveira , que fala em "más notícias para a esquerda", esteja realmente preocupado?. Mas desde quando é que ele se preocupa com a esquerda, para além da sua? Desde que o seu movimento Gucci guerrilha saiu duma coligação efectivamente de esquerda, lembro Lisboa, só porque parecia mal estar numa coligação com o partido que por acaso estava no governo na altura ("nós e os poderes, uma relação de asco, capítulo I da história do Bloco de Esquerda")? Desde quando é que, para Daniel Oliveira, os problemas do PCP são os da esquerda e os da esquerda são os do PCP? Desde quando é que, para Daniel Oliveira, noção de esquerda não é mais que uma percentagem de votos somados onde e quando interessa?
MCG

Jerónimooooo

Será um grito de salvação numa situação potencialmente dramática? Não me parece caso para tanto, mas a notícia da indicação de Jerónimo de Sousa para Secretário-Geral do PCP, não deixa de ter contornos preocupantes. Torci, torço e torcerei o nariz a Jerónimo de Sousa enquanto este me não me provar que tem qualidades para ser secretário-geral do Partido Comunista Português e isso só o saberei - aliás, saberemos (peço desculpa aos iluminados do costume)- quando ele for, efectivamente, secretário-geral do PCP. Concluirei então, pelas suas acções, pelas suas ideias, pela sua luta, pela forma como vai liderar um partido fundamental na democracia portuguesa e pelo modo como vai lutar contra a tendência, mais sociológica que política, que tem sido a perda de influência, não tão abismal e expressiva quanto alguns queriam, mas lenta e progressiva do PCP nas urnas. Interessa-me, sobretudo, saber se lutar contra essa tendência vai ser um dos seus objectivos, pois esse pequeno factor vai dizer muito sobre o futuro do Partido Comunista e aí reside a maior das minhas preocupações. E não se trata aqui do ganhar mais um voto ou dois, mas sim de saber se a acção política parlamentar continuará a ser importante, ou se a questão do reforço do PCP nas instituições passará a ser uma questão menor e assistiremos a um forte (ou tentativa de) protagonismo social e popular (não confudir com populista) com a capitalização do momento de crise em que vivemos para uma aposta forte no movimento sindical, por exemplo, mas sem a devida correspondência a nível institucional. É no equilíbrio entre estes dois factores, que francamente me parece estar em perigo, que reside a sobrevivência efectiva do Partido Comunista, que, manifestamente, se deseja. MCG

Ausência justificada

Peço desculpa pela minha ausência prolongada, apesar de saber que estiveram e estão muito bem entregues, mas ando com uma relação muito atribulada com a Internet que torna e vai tornar quase impossível a minha participação neste blogue, pelo menos, enquanto a situação se mantiver. Desde que me iniciei no mundo dos blogues sempre escrevi directamente no Blogger tudo o que me ia na alma. Para mim blogue é quase sinónimo de momento partilhado de pensamento instantâneo. Isso, para além de explicar textos por vezes mal escritos, explica também o meu problema actual. É que é-me particularmente díficil escrever um texto no Word -como este!- para depois colocar no blogue. Tenho que ter ali tudo, aquelas ferramentazinhas inúteis do Blogger a pedir para serem usadas, outros blogues abertos e a Internet como uma mar perfeito, pronto a ser surfado, para que a coisa flua. Neste caso, não tenho nada, estou a usar a Internet primitiva –cara, lenta e demasiado irritante para meu gosto- o que explica, em grande parte, a minha ausência.
Mas dadas as circunstâncias, fiz um esforço, para que, na medida do possível, no curto tempo que tenho de antena, possa debitar alguns pensamentos previamente escritos.
Espero que as coisas se resolvam o mais breve possível porque já tenho saudades de andar aí a chatear uns quantos, apesar da cereja, desta vez, vir antes do bolo e, só para matar saudades, vou chatear o Daniel Oliveira não tarda.

MCG

A renovação da blogosfera

Mais um blogue que acaba. Na blogosfera tudo em o seu principio e fim. Vai ser assim com a própria blogosfera. Já não ia lá à algum tempo, e hoje, com algum tempo, estando eu a fazer um trabalho! Decidi dar uma vista de olhos na Janela Indiscreta. Um blogue com muitas visitas minhas. E estava postado um óbito. Queres ver que é mais um texto sobre a indiferença de Arafat? Pensei eu já a medo... não... era o final de um dos grandes blogues que tive o prazer de conhecer. Como sempre, nestas ocasiões espero que voltem, ou espero que arrajem outro, para que a constante renovação da blogosfera continue.

Miguel Bordalo

O estatuto da indiferença

Nos últimos tempo tenho lido muito sobre Arafat, agora que morreu era de esperar toda a gente tivesse uma opinião sobre ele. Posso estar enganado mas a ausência do Marcelo Rebelo de Sousa diminuiu drasticamente a opinião de muitos em seja o que for. No caso de Arafat é natural que as posições se extremem, dou como vitoriosa a táctica israelita e americana de descredibilizar uma figura, para que me encontre hoje confrontado com a ideia que Arafat é indiferente a uma grande parte de comentadores na praça pública e no mundo dos blogues.

Realmente fiquei impressionado quando no outro dia via televisão e as ruas na Palestina se encheram para chorar a morte do seu líder. Porque na realidade os únicos que nunca ficaram indiferentes a Arafat foram os palestinianos, e ninguém pode vir agora dizer, e isso já foi tentado, que ele não tinha o apoio de grande maioria do seu povo. E essa sim deve ser a pedra de toque da vida de Arafat, o amor que o seu povo teve por si. Não é a minha opinião, ou a opinião de outro ocidental qualquer que vai fazer a diferença. De lhe chamarem terrorista ou herói. Ele foi um líder, e o líder deve ser julgado pelo seu povo, sempre! Exceptuando se por ventura tiver a ambição de invadir outro povo, que claramente não foi o objectivo de Arafat pelo contrário.

Essa indiferença que agora nasce por aí é o resultado da exegese de um conflito entre aquilo que o vimos fazer, aquilo que se sabe sobre ele, e a propaganda israelita e americana que entre muitas outras coisas faz Arafat, que esteve grande parte das suas legislaturas maniatado, parecer responsável por grupos terroristas absolutamente independentes da autoridade palestiniana. Mais! Em algumas zonas da Palestina esses grupos são a polícia, o emprego, a subsistência e a assistência humanitária. E porquê? Porque o estado de Israel e os EUA fizeram com que houvesse a certeza que os responsáveis palestinianos não tivessem força para fazer absolutamente NADA sobre isso! Perante a indiferença da comunidade internacional, e pelos vistos de nós todos em geral.

Miguel Bordalo

Tarde mas a tempo, espero...

O Pastelinho vai entrar numa iniciativa do Tugir e do Estaleiro para que, quem puder, envie um email. agora ao ministro adjunto em gmapm@mapm.gov.pt <gmapm@mapm.gov.pt>, já que ao primeiro ministro não é possível, para que se poupe na carta que vai explicar o orçamento de estado aos portugueses. Com o seguinte texto:

Senhor Primeiro-MinistroEstando perfeitamente elucidado sobre o Orçamento de Estado para 2005 e sabendo que V.Ex.ª. tenciona enviar-me uma carta em que dará esclarecimentos de que prescindo, solicito que se abstenha do respectivo expediente e faça entrega do montante respectivo a uma CERCI à escolha de Vossa Excelência.
Respeitosamente
Ass

Pedimos desculpa pela demora, mas mais vale tarde que nunca.

Aquele abraço!

Num mundo cada vez mais insano, a simbologia tende a transformar-se numa mutação constante de pequenas diferenças na nossa estrutura de relacionamentos. Mas o abraço que hoje Santana deu a Portas parece Dejá vu, um abraço cínico, um abraço político, um abraço de sobrevivência. Estranho... Aqueles dois ali num figurino alienígena disfarçando abrolhos. Foi tão surreal aquele abraço como chamar àquele concelho de ministros histórico. E histórico porquê? Não que se tenham feito grandes decisões, não que se tenham traçado linhas de futuro essenciais, ou uma reunião de esforços para resolver problemas definitivos. O histórico daquela reunião é exactamente o mesmo histórico daquele abraço, foi histórico por causa do lugar e da data, e nunca pela sua importância ou significado. É realmente preocupante quando a política praticada em Portugal perde totalmente o significado e torna-se numa série de gestos automáticos e condicionados para obter resultados bacocos e resposta imediatas.

Miguel Bordalo

Esticando o braço a Luís Simões

Na verdade este post pode bem transformar-se num pedido de desculpas. Ultimamente tem havido grandes confusões no Barnabé com alguns dos seus comentadores. O Luís Simões foi um deles, mas como já me cansei de ouvir as barbaridades dos habituais comentadores como o Afonso Henriques ou o AP, perdi o fio à meada, e se calhar fui injusto com o Luís.

Hoje numa das reuniões semanais, nas ondas, com o meu grande amigo e colega de blogue, o Manel, lembrei-me de lhe perguntar, sabes quem é o Luís Simões? “- O terror da blogosfera?” respondeu ele com um riso, que, quem o conhece sabe que não quis bem dizer o que disse, constatou apenas um estereotipo, ou qualquer frase possivelmente previsível. Depois explicou-me de quem se tratava e até mencionou que me tinha respondido no post onde tinha perguntado por ele aqui no pastelinho, e que eu não tinha reparado. Realmente apercebi-me de duas ou três situações a mais que não sabia antes sobre o caso “Luís Simões” e que me pôs noutra perspectiva, apesar de não ter gostado muito do último comentário dele no Barnabé sobre mim... mas pode ter sido outro desentendido, e eu, com ele, já estou farto de desentendidos.

Por isso, para ti Luís Simões vou fazer estaca zero, e se admitires alguma importância nisto, também o farás a mim. Sabes este blogue, e ainda hoje falamos nisto, eu e o Manel, no quarto de hora que dedicámos às conversas de blogues, que nos orgulhamos muito de não estar naquela lista infindável de links no Barnabé e sermos o blogue que somos, pequeno mas a crescer. Eles com certeza sabem que existimos, mas não lhes apetece muito argumentar connosco. Diga-se que o Daniel ainda é o que tem mais presença de espírito para o fazer.

E sabes, lendo o teu comentário posso encontrar pontos que temos em comum, neste blogue tem-se muito respeito por Cuba, mas muito mesmo. Eu sei que se analisarmos este tema como deve ser, temos de o fazer de uma forma global, não se pode analisar a China sem pensar na Índia, ou nas Coreias, ou na Indonésia; não se pode analisar Cuba sem analisar toda a zona das Caraíbas, que como alguns sabem, não são sítios fáceis para viver, expecto se forem turistas num passeio barato e muito escravizante. Cuba não deixou escravizar-se, não deixou prostituir-se, educou-se, disciplinou-se e recebem prémios de melhor país a controlar catástrofes naturais... não é por acaso. Quanto à Venezuela... bem queixarem-se da Venezuela não só é ridículo como completamente contraditório, são uma democracia, que toma verdadeiras decisões à esquerda e que não agrada o patronato que está habituado a controlar tudo, principalmente na América, e não digo do Sul, nem do norte, é mesmo naquele continente, cá ainda temos sindicatos que em alguns países ajudam alguma coisa... Mas maior prova de maioridade e legitimidade política na Venezuela foi o último referendo, ganho de uma forma clara e sem discussões. O resto é o normal, de todos os dias, propaganda atrás de propaganda. E o Barnabé é pródigo em engolir propaganda. Veja-se agora com Arafat.

Espero que tenhas lido esta mensagem, vou tentar chamar-te a atenção se não responderes dentro de uns dias.

Miguel Bordalo

terça-feira, novembro 16, 2004

Hoje ocupado/amanhã surfada

Ando a passar frio que nem um aflito dos aflitos! Tremo todo e fico roxo, azul e às pintinhas. Quando saio da água tenho de ficar a aquecer-me durante meia hora para começar a sentir as mãos, e os pés é coisa lá para duas horas e meia. É um estado de aflição tão grande que o cérebro congela e só pensa duas palavras – que frio... –

Alguém por um raio de sorte me sabe dizer como é que se arranjam 200 ou pelo menos 150 euros de um dia para o outro? É que a diferença entre 3.2 para 4.3 é significativa, e pode, quem sabe, no meio da fussice, salvar-me a vida. Sabem? Aquela coisa – é só mais uma... é só mais uma... –

Preciso é de começar a trabalhar! Não é? Esta vida de estudante não leva a lado nenhum. Ainda por cima temos de lidar com aquelas duas que mandam na educação em Portugal. E que faziam um programa de lavagem de imagem no outro dia num canal qualquer! E uma delas achava piada a uma invasão estudantil! – Aí que giro! – Gritava histérica! Bem que precisavam as duas de se meter na água com um 3.2 durante 3 horas, para ver o que era bom para a saúde! A ver se resfriavam as ideias.

Miguel Bordalo

segunda-feira, novembro 15, 2004

Estado de espirito do blogue...



Is there anybody out there?



Is there anybody out there?



Is there anybody out there?



Is there anybody out there?



Pink Floyd

Estará realmente por aí alguém?

Miguel Bordalo

Interrompido felizmente

Estava hoje a ouvir, meio contrariado, o discurso de Santana Lopes, quando foi bruscamente interrompido. Olha que pena! Fiquei muito chateado... Estava eu a preparar-me para fazer um acompanhamento em directo do discurso aqui no blogue, quando tive de sair. Sabia lá eu que teria de perder o almoço e grande parte da tarde para se tivesse feito o tal acompanhamento!
Acho que no final do discurso houve um grande risco de alguns ministros irem parar de novo ao hospital. Mas também... não é que eles sejam essenciais, já que quem manda é ele!

Já ouvi alguns resumos do discurso, e claro, mais lamentações e coitadinho dele!
De facto não se apresentou nada de novo, mas nestes “comícios” é raro faze-lo. A frase – agora o líder está legitimado – é uma frase saída do “Inimigo Público” só pode, foi uma votação tipo Saddam, SCP ou FCP! Lista única! E ainda têm o descaramento de protestar com a democracia dentro do PCP, que pode ser um pouco duvidosa, mas não é mais do que estas votações no PSD.

É verdade que todo o discurso não passa de um ribombar de demagogias, mas é exactamente isso que me preocupa, porque temo que a longo prazo funcione, e como a oposição, principalmente o PS anda desmotivada. Não havia de estar? Não precisam de fazer nada, deve ser frustrante! A verdade é que este discurso encaixa perfeitamente na apatia em que se encontra este país. Um discurso longo e confuso em que no final da frase e com a já famosa entoação duas notas acima extrai um surpreendente “Apoiado!” ou “ É isso mesmo!”. Que pode levar Portugal onde ninguém quer...

Miguel Bordalo

Mas eu nem sabia! É?

O blogue Viva Espanha alertou-me para uma crónica de Sousa Tavares que parece indicar que o proeminente comentador é de esquerda! Eu não sabia! É? Pensava que era só anti seja o que for! Menos Pinto da Costa! Claro...

Miguel Bordalo

domingo, novembro 14, 2004

Daniel o candidato?

O Rui Tavares num post exaltado apela a um variado número de figuras com um campo político restrito mas bem delineado. Não se terá ele esquecido do seu colega de blogue Daniel Oliveira uma ascendente figura política! Seria engraçado! :)

Miguel Bordalo

Discurso legitimador?

Para legitimar o seu discurso, desde sempre, Santana Lopes usa Sá Carneiro como a sua referência. Estes PSD’s são uns tipos fáceis de levar a aplaudir – Sá Carneiro! – CLAP CLAP CLAP! Viva!

Sinceramente...

Miguel Bordalo

O Nojo

A apresentação de Santana Lopes antes do discurso final foi não uma demagogia barata, mas um nojo!

Miguel Bordalo

O Congresso do vazio

Este fim-de-semana tenho assistido aos chisquinhos este comício do PSD. Sim porque não se pode chamar aquilo um congresso, mas sim um comício alargado. Dê-se valor ao PS que fez um comício a sério, com votações a sério, com discussões a sério. Infelizmente o resultado foi o que foi, mas a análise desse congresso já aqui foi feita.

Neste comício houve a necessidade de legitimar aquilo que mais evidente foi o defeito do governo PSD/CDS nos últimos dois anos, a verdade. A verdade foi sempre algo ausente, mesmo nos tempos de Durão Barroso. Esta necessidade ilustra bem os problemas com que os responsáveis por este partido se sentem confrontados, porque as constantes mentiras e omissões criam uma enorme falta de confiança. Hoje ao ver a SIC notícias, nem mais!, lá estava a palavra verdade substituída pela confiança, não é que estas coisas os impeçam os PSD’s de fazerem aquilo que fazem melhor, mas provavelmente no discurso final, Santana Lopes já vai estar mais à vontade, sem o anjo bom a pairar sobre a sua cabeça em proporções completamente desmedidas!

Santana já deve estar à espera da entrevista na RTP1 com a jornalista de sempre, que com certeza não o vai deixar ficar mal, e a popularidade do governo vai novamente para os níveis mais confortáveis. E Santana põe-se já na possibilidade de governar este país até 2014, se assim for, e eu não sou de subestimar o adversário, este país nessa data já não será dos portugueses, mas de um banco qualquer, ou de um país mais abarbatador.

Miguel Bordalo

sexta-feira, novembro 12, 2004

Ataques bem mais certeiros!

Hoje na Capital a crónica do Daniel Sampaio trás um excerto de uma carta aqui escrita no Pastelinho e posteriormente editada na Capital, e dedica parcialmente o texto aos dois escritores das cartas referidas. Perante um texto destes, muito mais directo, sem subterfúgios e jogadas estranhas, faço a minha vénia a um ataque bem feito à preparação do comício do PSD. Assim vale a pena ler Daniel Sampaio directo e sem constrangimentos. Com uma teoria sustentada sobre o futuro de um líder político que parece! E sublinho parece. Cada vez mais decadente.

Miguel Bordalo

Começou a palhaçada!

Neste fim-de-semana vai-se ver até que ponto um partido político pode ser um circo triste de yes men’s, lambe botas e parasitas que de um dia para o outro mudam de fidelidade política.
Já acusaram de cobardia alguns membros da antiga hegemonia. Marques Mendes, picado, respondeu à provocação e irá cair no tal circo românico e comido pelas feras brandirá dos poucos protestos que se ouvirão num fim-de-semana apático.

A palavra mais feia do momento, o contraditório, será provavelmente a única coisa engraçada a analisar no próprio ciclo de poder de Santana Lopes. Eles com certeza não vão perder a oportunidade de fazer aquilo que tanto gostam! Uns aos outros que assim é que é bonito!
E lá vão estar, mais uma vez, os ministros deste governo a roer as unhas para saber as promessas que Santana vai fazer e obrigá-los a cumprir! Isto é um forrobodó!

Miguel Bordalo

Os barnabélicos

Estava a preparar-me mentalmente para fazer um longo texto a criticar as baboseiras dos barnabés sobre a morte de Arafat. Ora o Uno e o múltiplo fê-lo bem e está aqui o link.

Por vezes não sei o que me faz gostar dos barnabés, será que é por serem uns tipos porreiros e inteligentes, pois com certeza. Mas a verdade é que são uma mistura da “nova” esquerda, da esquerda moderna e da esquerda caviar e o que de mais ressabiado e complexado estas esquerdas têm. No fundo é divertido ler o blogue porque nunca se sabe se vem algo genial ou algo francamente medíocre, mal argumentado e quase nada factual. Este texto do Celso Martins é um exemplo disso, totalmente desastrado!

Mas quando começamos a ficar fartos dos Barnabés !Eis se não quando! Aparecem coisas destas, ou piores. E pronto voltamos a gostar deles como dantes, uma espécie de uma ciclo vicioso.

Já agora algum dos Barnabés pode perder um tempinho de nada para me explicar a situação Luís Simões?

Miguel Bordalo

É o melhor

Interrompo a minha senda de desgraças para dar um ar menos pesado ao blogue e já agora aproveitar para saudar o meu jogador preferido no Benfica, que hoje disse que queria acabar a carreira no clube, jogador com 26 anos e um dos melhores trincos do mundo!



PETIT és o MAIOR!

Miguel Bordalo

quinta-feira, novembro 11, 2004

Cinismo estruturante

Na verdade vivemos numa estado de loucura permanente, não há um dia que passe que não tenha provas disso. As instituições carregam sobre nós um peso estruturante nada racional, todas as medidas acções, práticas, políticas, relações são desmedidas de um contexto racional, é mais ou menos pensado, mais ou menos consoante uma opinião, um desejo, uma crença pessoal. O choque do nosso tão defendido individualismo colide com o facto que já ninguém ter espaço para ser realmente individual, único. Temos os mesmos problemas, formatamos as coisas com um pensamento normalmente muito próximo, ainda que de certa forma a estrutura nos tende a dividir um pouco, para criar um confronto. Tudo isto parece tornar-nos marionetes do nosso próprio pensamento institucionalizado. Déjà vus permanentes! A insanidade global está a um fio de rebentar por aí algures. A insanidade global...

E já há quem por aí ande a sentir o cinismo estruturante na pele...

Miguel Bordalo

Fins e meios, mensagem a Daniel Sampaio

Uma carta mais pessoal

Sabe Daniel os blogues são sítios estranhos, muitas vezes desprovidos de máscaras ou aquela redoma em que nos protegemos e nos seguramos quando o contacto é mais pessoal ou mais reconhecível. Eu por vezes sou um pouco contundente, como já alguém me descreveu. Mas não queria implicar nenhuma suspeita, na minha carta, de um contacto directo, tipo Paes do Amaral com o seu irmão. Mas sim com a sua consciência, que ao ver o efeito do seu “manifesto” se preocupou, com amor (como referi), com o seu irmão. Se foi ou não, isso nem interessa. Tenho de lhe agradecer o email que me mandou e deixar este questão por aqui.

De facto o que mais importou não foi tanto a pressão, mas sim o recuo. A sua carta aberta e o texto que fez a seguir são tão diferentes como o dia para a noite. Uma é sobre princípios e ideais, a outra é uma jogada política...

Sabe estava a pensar ainda hoje que nos últimos dois anos me tornei uma pessoa mais séria, mais rancorosa, e infelizmente tende a piorar. A situação política nacional e internacional contribuiu em grande parte para isso. Os meus amigos já nem querem grandes conversas comigo, porque quando antes se divertiam agora ouvem sermões. Eu preciso de inspiração, necessito de saber que alguém está comigo convicto que neste país nada está bem, as instituições estão a falhar, mas que há uma leve esperança que se tomarmos a rédea às coisas pelo seus princípios, pelos seus ideais e não pelas jogadas de bastidores, de substituir aquele por outro parecido, (por ter uma sensação de que o novo é um pouco melhor), vamos continuar na mesma. Perpetuando este movimento cíclico cansativo e degradante.

Há questões que tendo em conta os princípios que defende na sua carta aberta à minha geração, não se compactuam com a segunda. A defesa do Presidente da República é uma delas. Este governo que como diz tem uma legitimidade constitucional, não tem, por princípio democrático a sua legitimidade efectiva. Não será uma jogada política, muito tirada a ferros, diga-se, que vai justificar uma medida destas... Este governo a bem do nosso país tem de cair e é já! Ele nunca deveria ter existido!

Sabe Daniel... vivemos num mundo cínico, completamente desproporcionado, um primeiro ministro neste últimos dias apoiou um massacre ao seu próprio povo, outro utiliza o seu povo para fazer uma guerra armada com um exercito estrangeiro... Aqui em Portugal a mentira já nem quer ser disfarçada, governo após governo.
A sua carta deu-me esperança de poder haver um movimento que fizesse tábua rasa a tudo isto, chamem-me ingénuo, eu não me importo. Sei que o futuro deste planeta passa por uma união de princípios e não por jogadas de forças políticas, defesa de ideais e não de crenças, lutas por causas e não pessoas.

Eu não o quero contrariar no seu ataque ao governo, apoiarei sempre as suas iniciativas.
Mas quando quiser ir além disso gostava que se lembrasse que pode estar a levar alguém consigo, e não apoiasse nesses momentos de elevação as situações que primeiro nos levaram aqui... abandonando a meio aqueles que quiseram marchar ao seu lado.

Um abraço com admiração, numa carta mais pessoal, mas ainda assim aberta, como tudo começou.

Miguel Bordalo

A estória enganou-se, Arafat morreu

A homenagem no momento da queda deste líder revolucionário aqui no Pastelinho. Palavras para quê... personalizou uma luta como o único verdadeiro líder democrático num país árabe. Como um soldado que foi, sempre, por uma causa. Esta não era a maneira de Arafat morrer, depois do cerco desumano que lhe fizeram podia ter ido agarrado a uma arma a gritar ordens de liberdade, a brandir aos céus as justificações da sua luta, uma luta sangrenta que nunca o devia ter sido... mas que ele nunca quis evitar.



A história confundiu-se, deu um passo errado, David morreu, Golias sobreviveu... A nível metafórico o que é que isso significa para nós como humanidade?



Aquela pedra certeira falhou o alvo...

Miguel Bordalo

quarta-feira, novembro 10, 2004

Mais trapalhada!

Já andava a estranhar o silencio do governo, ninguém dizer nada, estava tudo muito escondido. E não é que Bagão Félix teve de vir trocar os pés pelas mãos, as mãos pelos pés! As taxas baixam os impostos não! É uma baixa total, mas agora é uma baixa faseada... belas broncas! Será que não sabem que mais depressa de apanha um mentiroso que um coxo?

Agora a promessa do primeiro ministro é escrever aos portugueses a explicar o orçamento de estado, bem pelo menos não tem de ser ele a faze-lo desta vez!

Estas situações têm-se tornado um pouco preocupantes, na minha opinião, é porque vamos reparar que com este desaparecimento do governo, bruscamente interrompido por Trapalhão Félix, as melhorias a nível de popularidade vão ser sentidas. É a nova táctica “até ordem em contrário”!

Miguel Bordalo

terça-feira, novembro 09, 2004

O que é que estão aqui a fazer?

Se estiverem neste momento a ler blogues saiam já da frente do computador e vão ver o Good Bye Lenin! Grande, grande filme! Na RTP 1 daqui a meia hora, 23 e 30. Quem não viu isto a tempo, clube de video/fim-de-semana.

Miguel Bordalo

Paes do Amaral repetido

O patrão da média capital disse que o dito “caso Marcelo” é um assunto privado. Disse-o finalmente, não Marcelo?
E disse orgulhoso que a TVI nunca esteve tão bem nas audiências... pois... é defeito ou feitio?

Miguel Bordalo

Aí sim?

Mas surpreendidos com o quê?

Miguel Bordalo

CatrPUM!

Foi à 15 anos... o que é que mudou? Muito. O que é que foi para melhor e para pior. Este verão conheci um Alemão com 40 anos que agora diz que é possível que se estivesse melhor antes, em muitos aspectos. Outros com certeza pensam o contrário. Eu é que já não sei nada...

Miguel Bordalo

segunda-feira, novembro 08, 2004

Arafat em estado de sítio

Já não via tanta confusão desde que o Porto foi jogar à luz. Arafat está morto, Arafat está vivo. Ora está em coma, ora está acordado, ora é sidoso e é suspeito de actividades homossexuais, (ou querem denegrir a imagem do homem na sua altura mais frágil). Ou foi envenenado, ou tem leucemia... A única coisa que podemos ter a certeza no momento é que nada do que se diz é verdade, tudo o que se diz são suposições.

Na realidade sempre imaginei Arafat a morrer num bombardeamento, um cerco, falta de alimento, acossado, agarrado a uma arma com entulhos por cima dele, pavoneado nas televisões Israelitas em mais uma propaganda engolida por gente fraca que nunca quis ver, ou nunca tiveram a capacidade para ver, que havia um homem a aguentar um forte completamente violado. Arrombado em todos os seus flancos, e em que as negociações deste líder são infelizmente restritas a quanto é que eles têm a perder. Por mais que o queiram rotular de terrorista, os mais atentos sabem que a sua luta esteve sempre altamente condicionada com, não duvido, terroristas ao seu lado a quererem ir muito mais longe, e a fazerem-no sem o seu consentimento. Há largas alturas na sua presidência de quarenta anos, em que Arafat não tem qualquer poder de controlar seja quem for na palestina, muito menos os auto-suficiente terroristas que habitam as suas terras. É uma ingenuidade pensar isso, ou é má fé, e muitas, muitas vezes é má fé.

O líder Palestiniano um lutador sem tréguas vai provavelmente morrer como nunca imaginou, deitado numa cama de um país longínquo fora das suas fronteiras de fé, e fora das suas crenças na vida. Israel demonstra tudo aquilo que é impedindo Arafat de ser enterrado em Jerusalém, altamente desrespeitador do seu adversário, racista, quando veio dizer que Jerusalém era um sitio onde se enterravam Reis Judeus. Estou cada vez mais convencido que aquela cidade tem de se separar, nem ser de Israel nem da Palestina, tornar-se zona zero, ou cidade da ONU. Não pode estar entregue aquela gente.

Miguel Bordalo

Ontem o Benfica ganhou...

Esta semana vai-me correr muito melhor... as últimas não tinham sido grande coisa...

Miguel Bordalo

sexta-feira, novembro 05, 2004

Carta aberta a Daniel Sampaio

Ontem antes da manifestação a minha universidade estava forrada com o seu texto “Carta-aberta à geração dos meus filhos”. No pátio um homem mais velho parou e emocionado pegou numa caneta e escreveu – obrigado Daniel, alguém tinha que escrever isto, ainda bem que foste tu, obrigado. – meteu a caneta ao bolso porque achou que no ideal o agradecimento estava feito. Respirou um ar diferente, inspirado... com vontade de se dar com a geração a que você se dirigiu.

Fique sabendo que grande parte dos mais de cinco mil alunos ontem na manifestação carregavam a sua carta nos bolsos, e de surdina todos percebia-mos que esta elevação seria o inicio de alguma coisa... Na nossa longa caminhada sonhávamos em trazer todos aqueles que nos viam à nossa causa, e talvez no futuro outras se tornem mais prementes e mais participadas. A sua carta apela a isso.

Ontem uns tantos alunos de ERAMUS leram a sua carta, ou foi-lhes traduzida. Foi imediata a sua participação na manifestação. Com alegria e pujança, juntaram-se a nós e lutaram ao nosso lado emprestando a sua voz às nossas causas.

Mas aposto que ninguém que aqui descrevi atrás estaria à espera da sua “carta” de hoje "Quanto mais se veste mais vai nu o governo" na Capital. Quais foram as pressões que o fizeram recuar desta maneira. Ponderar? Travar o exercício que antes tinha feito? Questões fraternas? Na realidade hoje você conseguiu pôr-se no seu lugar. Confortável analista e ponderado. - O governo é mau mas a responsabilidade até é do Sampaio, que num golpe de mestre não deixou a coligação vitimar-se... – Não senhor Daniel Sampaio! NÃO! Este país não aguenta mais este governo! Este país não aguenta mais este Presidente! Este país não aguenta mais opinadores que recuam e avançam consoante acordam mais resignados ou mais revolucionários! Agora o ataque é aos ex líderes dos partidos de oposição? Que vergonha! Então o que é que Sócrates vem dar a Portugal? Que oposição é que já fez? Que alternativa é que apresenta?

Foi uma desilusão tão grande ler o seu texto hoje... Nem à uma semana atrás um homem chamado Bush ganhou umas eleições, e de forma legitima! E perante o país que governou, você é capaz de dizer sobre o nosso “Na minha opinião, o “governo” é mesmo mau, e por isso vai ser derrotado nas urnas.” Você foi capaz de dizer algo como isto e não pensar que se estão a esgotar as razões para derrubar este governo. Que não tarda ele passa de um desgoverno, para apenas um governo mau, e a melhoria vai ser suficiente para subirem na opinião de uma maioria resignada? Que vai dizer – Eles começaram desastrados, mas agora já não estão assim tão mal. - Não acha? Não acha que a aposta toda na comunicação social que fizeram, não irá começar a dar resultados? Mais tarde ou mais cedo, com toda a gente incómoda afastada, vai resultar! E vai ser perto das eleições, e pode vir a ser uma desgraça para este país!

Daniel Sampaio não é tempo de recuar. Hoje muitos dos estudantes atiraram a sua carta aberta ao lixo, traídos pelas manigâncias argumentativas que expôs neste dia... O amor fraterno matou uma fonte de inspiração...

Miguel Bordalo

Uma boa manif

Ontem a manifestação foi bem boa, teve mais do que os 5 mil ontem anunciados, mas nem que fossem só 5 mil, já tinha sido bom, porque já foi uma boa iniciativa de protesto. É já se sabe, para manifestações em portugal só se forem mesmo os estudantes, porque o resto do país entra em greve e com algum atrito. Anda tudo confortável demais! Se alguém se mexe neste país somos nós, os estudantes! Que ainda temos de ouvir uns quantos a puxarem a brasa à sua sardinha, e outros mais velhos a envolverem os estudantes em - movimentos suspeitos esquerdistas e se fossem mas é estudar! – Novamente neste blogue eu digo empatia ao seu máximo expoente!

Miguel Bordalo

Breve apontamento

Na Faculdade de Direito de Lisboa foi decidido acabar com o método A para os alunos repetentes. O método consiste, tão somente na avaliação contínua – ir às aulas, fazer as frequências, os trabalhos, participar, e ter hipóteses de dispensar o exame oral -.

Agora o que acontece, é que os alunos repetentes não podem fazer as cadeiras em atraso através deste método, dificultando-lhes o acesso às aulas (têm que pedir autorização aos professores dessas cadeiras), e cortando-lhes um método que sempre lhes foi facultado.

Assim, os alunos têm que fazer o exame escrito, e, obrigatoriamente, exame oral.

Não é que eu esteja totalmente contra esta ideia (se bem que o castigo como método de incentivo não seja o ideal), mas o que me aborrece é que isto é feito por não haver assistentes em número suficiente para se criarem mais turmas, para poder inserir estes alunos.

A FDL o ano passado subiu as propinas quase 300%, para o limite máximo. Motivo? Criação de melhores condições para os alunos. Toda a gente sabe que a FDL não tem necessidade de grande aparato, pelo menos o suficiente que justifique este aumento. Mas o que é curioso, é que agora não há condições para manter turmas suficientes para os alunos com cadeiras em atraso.

Pergunto-me: não era esta uma boa ocasião para justificar o aumento “obsceno”?

Francisco Castor

quinta-feira, novembro 04, 2004

Hoje saio à rua!

Hoje como estudante Universitário vou participar numa manifestação de estudantes que vai novamente lutar contra as propinas, e que vai também lutar contra a perda de poder no aparelho de ensino.
Eu acredito que o ensino público deve no seu ideal ser gratuito, mas admito propinas ajustadas às remunerações do agregado familiar. Acredito que os estudantes devem ser um elemento importantíssimo nas escolhas de futuro no ensino público. Por isso saio hoje às 14 e 30 na cidade universitária!
A progressiva degradação do ensino público em geral, não só o universitário, é na minha opinião um claro ataque a este sistema, numa tentativa, cada vez mais bem sucedida de beneficiar o ensino privado. Este perante a manifestação de hoje protesta. Este protesto para lá de me parecer encomendado não defende os próprios interesses, porque o segundo ponto desta manifestação também os devia preocupar. Hoje estou com algumas dificuldades em ir à manifestação, mas perante o fórum TSF tenho a certeza que custe o que custar, tenho de ir.

Miguel Bordalo

quarta-feira, novembro 03, 2004

Sampaiadas versus Bushalhadas

Sampaio hoje, naquele tom paternalista veio dizer, perante a quase inevitável vitória de Bush nas eleições Norte Americanas, que normalmente no segundo mandato se corrigem os erros do primeiro. O senhor presidente não estava a falar de experiência própria! Ou quereria dizer que precisava de outro mandato para demitir os governo? Ou então está ainda a pensar que está no primeiro?
- Não senhor presidente, está a fazer disparates no segundo mandato! - sei lá... se calhar não se lembra?

Miguel Bordalo

Não era um mau sonho...

Bush vai muito provavelmente ganhar as eleições Norte Americanas, e sinceramente merece ganhar até porque tem uma superioridade grande no voto popular. O medo ganhou? Pois claro! As ameaças de Bush resultaram e o muito fraquinho Kerry perdeu por culpa própria, foi trapalhão, e isso preocupa-me por duas razões. A primeira é o resultado final, Bush, um mentiroso compulsivo, manipulador, quase demais para ser tão burro quanto parece, ganhou as eleições. Mas transferindo essa situação para Portugal isso preocupa-me muito mais, porque Santana pode muito bem ser comparado a Bush, mas num modelo mais europeu, e Sócrates pode muito bem ser comparado a Kerry, e o resultado em Portugal far-me-á ficar muito mais chateado do que este resultado nos EUA. Sócrates como Kerry tem falhado, no pouco tempo que lá está é certo, incapaz de fazer uma oposição eficaz ao governo. Por agora o governo é a sua própria oposição, mas não podemos pensar que isto vai durar para sempre, aliás, para bem deste país, que não aguenta estas minas todas.
Como positivo nesta vitória de Bush resta-me pensar que me vou rir um pouco com as bushadas, vou gostar de ver mais filmes de Michael Moore, e vou gostar de ver Delgados e Rogeiros a justificar as medidas dos EUA no mundo, é porque pode ser uma desgraça, mas ouvi-los tem a sua piada!

Miguel Bordalo

e....

Vou-me deitar e estou convencido que Bush vai ganhar as eleições... Pior para os americanos, mas principalmente pior para o resto do mundo, principalmente as comunidades árabes. Vou dormir meio enjoado, é dificil para mim acreditar que Bush poderia ficar quase empatado no voto popular, quanto mais ganhar à vontade as eleições! Mas é tarde, pode ser só um mau sonho... posso vir a descobrir que estou enganado de manhã.

Miguel Bordalo

No more Bush XV

11

MCG

No more Bush XIV

10

MCG

No more Bush XIII

9

MCG

No more Bush XII

8
Mike Keefe

MCG

No more Bush XI

7

MCG

No more Bush X

14

MCG

No more Bush IX

14

MCG

No more Bush VIII

13

MCG

No more Bush VII

6
Matt Woerker

MCG

No more Bush VI

12

MCG

No more Bush V

5

MCG

terça-feira, novembro 02, 2004

No more Bush IV

4

MCG

No more Bush III

3

MCG

No more Bush II

2

MCG

No more Bush I

1

MCG

Bush – América – Kerry

Bush e Kerry esgotam últimos argumentos, será uma ameaça de morte, ou um apelo à vida, um argumento? É a grande diferença nos discursos. Bush – Se não votarem em mim, morrem às mãos do democrata frágil e confuso! – Kerry – Se não votarem em mim muitos vão perder a vida às mãos do republicano quadrado e bruto! -

Miguel Bordalo

FIM de semana alargado

Este fim-de-semana foi muito positivo! Muito surf! Um bom filme! E tempo a menos para passear com quem eu gosto, mas ainda assim ainda deu para alguma coisa. Não fosse o meu Benfica ter claudicado e teria sido tudo bem melhor... para mim!
Na realidade este FIM de semana transformou-se, novamente, naquilo que é a maior vergonha nacional da actualidade! Uma mortandade nas estradas! O nosso país anda com assassinos descontrolados pelas estradas e ninguém faz realmente nada sobre isso, as medidas são sempre as mesmas, remendos! Põe-se polícias em diversos sítios e já está! Fica tudo com medo! Não é? Não! Nem que fiquem, claramente não é suficiente. Todos os anos ouvimos a mesma conversa! - O que é que se está a fazer acerca dos acidentes nas estradas? – Vem logo o responsável pela área dizer afirmativo, combativo, assertivo, num claro desafio aos foras da lei! – Vamos aumentar a vigilância _ e repare! Aumentámos o contingente não sei quantos por cento! – Caramba! Pimba! Toma lá! Assunto arrumado! Há muitos polícias na rua!
Num país onde se guia como o nosso as medidas têm de ser mais radicais. Os crimes de transito devem ter as penas mais pesadas do que estão actualmente. O sistema de transito em Portugal deve estar mais informatizado. E com grande risco de perder algum apoio da esquerda neste blogue, nem quero ouvir falar no direito à privacidade! É necessário ter aparelhos como os que são usados nos camiões, caixas negras, para se poder saber a que velocidade é que cada um anda! E se for necessário essa caixa estar ligada a uma central que avisa a autoridade competente. As vias mais perigosas têm se ser vigiadas por câmaras, para analisar as manobras perigosas. Os semáforos deviam ter câmaras para se saber quem passou o semáforo e de que maneira. Eu aposto, por que não sei, que o estado gasta mais a remendar do que a fazer este tipo de medidas!
Instalar-se um verdadeiro estado de sítio, uma ditadura nas estradas! Porque enquanto eu me divertia neste fim-de-semana, 14 pessoas viram o seu FIM nesta semana. E sabe-se lá se não irão ser mais!

Miguel Bordalo
Site Meter