sexta-feira, dezembro 31, 2004

O Pastelinho deseja

Um bom ano para todos. Que a festa seja boa e que o próximo seja ainda melhor que os outros. Apesar deste 2004 não ter sido lá muito famoso, 2005 será certamente diferente.
Abraços e beijinhos, comprimentos generalizados do pessoal do pastelinho.

Estereotipo político, imagens distorcidas

Está a acabar o ano, este será o meu penúltimo post. Só por acaso é sobre a figura do ano da Time’s, George Bush. Ao longo dos tempos tenho ouvido dizer que Bush é como um cowboy, nos tempos do oeste, procurando vingança e justiça como na altura sem ver quem nem quando, um cowboy sem dono...?... Eu quando era mais miúdo até gostava de “cowboyadas”, o bom e o mau, os ladrões contra os xerifes, já quando esses filmes metiam índios, não gostava muito. Mas realmente bush seria sempre o cowboy ladrão que vai matar os búfalos dos Índios, é o único cowboy que eu vejo Bush poder ser, e mesmo assim muito dificilmente. Porque Bush não vê as coisas de uma maneira tão preto e branco como eram nos tempos do oeste. A identificação de Bush com um cowboy é puramente geográfica. Mas já aqui volto.

Slobodan Milosevic que está a ser julgado por crimes (apetece-me dizer alegados, mas acho que serão mesmo crimes) praticados como presidente da Jugoslávia. Ora muitas vezes ouvi dizer que Milosevic poderia ser um genial político se vivesse num país mais ocidental... não sei se é verdade ou não, de facto sempre que o vejo no julgamento está a dar baile àquela promotora horrível, (que não sei se ainda é a mesma). Milosevic sofreu uma espécie de efeito ao contrário de Bush, foi identificado como um potencial bom político, não fosse todo aquele ambiente à sua volta.
Devo dizer que tudo o que se passou no Kosovo cheira-me muito mal...

A verdade é que perante estas duas imagens é necessário uma correcção à imagem do cowboy. É que Bush, num qualquer outro país mais “oriental” seria um ditador do piores ditadores! Tem o carisma evidentemente, senão não ganhava as eleições, tem facilidade em mentir, porque senão não tinha enganado tanta gente, e facilidade em matar gente inocente sem pensar muito no assunto. No fundo ele já o é, um ditador, mas numa terra que só o permite ser por quatro anos... não oito! Os interesses por trás das decisões deste ditador nem sequer são para que o seu povo, ou a sua pátria beneficiem com isso, mas para que ele, uns amigos e uns investidores o façam. No fundo nem um fascista ou cooperativista ou nazi Bush seria, não. Bush seria um ditador Africano, daqueles tipos que não tem qualquer preocupação com o povo, ou o país, mas com os aviões privados, os poços de petróleo, as quintas no país e fora. Bush seria esse tipo de ditador.

Miguel Bordalo

quinta-feira, dezembro 30, 2004

Engolir sapos!

Sabem esta notícia do público, “Manuela Ferreira Leite aceita ser mandatária do PSD em Lisboa” perturbou-me, por causa desta senhora já passei uns maus bocados, nunca concordei com praticamente medida nenhuma que tenha tomado, mas a verdade é que tem de haver respeito por alguém que faz aquilo que acredita, sem ceder. E esta posição é perigosa, pode facilmente descrever um grande político de uma linha dura, como pode descrever um ditador. Mas Manuela Ferreira Leite pareceu-me ser sempre uma pessoa séria que sabe o que quer e rodeia-se de quem acha que se deve rodear... achava eu! Depois de ter tido problemas com cotas? (E depois é só o PC...) Quiseram expulsá-la do PSD Lisboa e de repente! Está tudo bem e é ela que vai liderar a campanha em Lisboa.
Meus caros, há uns amigos meus que vêm ao pastetinho umas quantas vezes e defendem os Pachecos Pereiras e os Marcelos Rebelos de Sousa... parece-me que na direita são realmente os únicos que se têm mantido com alguma dignidade. Isto entre os mais mediáticos, claro. E rendo-me por agora a este já que já estou rendido à algum tempo a Cavaco Silva. (Ainda que ache que este último tem um plano maior). Agora, Ferreira Leite? Tornou-se apenas em mais um invertebrado...

Miguel Bordalo

quarta-feira, dezembro 29, 2004

Juro! Que será o último?

Isto de estar doente é uma desgraça. Andava eu a fabricar um corpo, uma máquina para desempenhar performances no mar bem aceitáveis, com poder, força, rapidez e rasgo, e de repente fico doente. Normalmente peso 70 kilos sou um tipo com mais de 1 metro e 80, (não sei exactamente quanto) e sou magrinho. Mas com a musculatura que estava a desenvolver conseguia fazer surf bem à vontade, apanhar as ondas que queria, lutar contra a maré, fazer um belo de um bico de pato! (para aqueles que não fazem surf, não é culinária). Mas agora eu que me encontrava nos 69, 79 kilos depois de dois dias em que passei um mau bocado tenho exactamente 65 kilos... dois dias! Este corpo só vai entrar, nos próximos tempos, num mar com meio metro! Está decidido! Isto porque a minha falta de apetite continua a parecer querer emagrecer-me ainda mais neste 3º dia de doença a sério!
...
Estou cansado, vou-me deitar...

Miguel Bordalo

Dias febris... meses?

Hoje, depois de só ter conseguido começar a “dormir” às 4 da manhã acordei às 7.30 com 39.5 de febre, passado uma hora estava nas urgências... andei o dia todo sobre o efeito de medicamentos, e sobre o efeito de uma noite em que não dormi. Mas será que tive outro pesadelo e vi Santana Lopes a limpar a imagem lançando um livro qualquer sobre cultura? Alguém me sabe responder no meu isolamento e sonhos completamente psicadélicos e surreais, se este foi mais um ou se realmente foi notícia? Diga-se de passagem que neste sonho o melhor escritor que vi foi o Moita Flores e isso não é dizer grande coisa. Apesar de até gostar do Moita Flores e estranhar a sua presença neste meu sonho. Vi outra escritora de quem nunca li nenhum livro e desconheço o nome, sei que é escritora porque nas imagens do meu sonho vinha descrita como tal, que dizia que Santana tinha uma grande obra! Em Lisboa e em Portugal! Bem a senhora escritora não vive em Lisboa isso é certo, a questão é: onde é que ela vive na Suécia? Porque em Portugal não me parece que viva!
Mas acho que esta coisas seriam até capazes de resultar, se isto não fosse só um sonho alucinado meu, ou um pesadelo, vá! Já lhe chamei sonho vezes demais! Resultam porque vai lá muita gente, e as pessoas acreditam no que passa na televisão! Mas espera... isto não se passou... ando um pouco confuso... Talvez o historial de censor como é Santana me tenha confundido de vez...
Sei que neste pesadelo paranormal também ouvi uma actriz a dizer, - aí ele é tão bom! Dá tantos subsídios aos teatros! -, tal como a outra senhora que vem visitar Portugal, esta estava só deslocada em temos de informação! É porque esta notícia dos subsídios do teatro terem ficado congelados não foi um sonho meu!
Isto é uma altura muito confusa para mim, é muita febre, muito mau estar... vou-me deitar... Por favor Santana deixa o meu sono em paz! Estes pesadelos com Santana começam a tornar-se recorrentes! Há cinco meses! É muito!

Miguel Bordalo

segunda-feira, dezembro 27, 2004

E continuam com esta história macabra!

Agora é Victor Ianukovich que vai protestar junto do tribunal constitucional a vitória do seu adversário. Todos os observadores internacionais defendem a legitimidade destas eleições, a ver vamos... Espero que para bem daquele povo, e para bem da estabilidade daquela zona geopolítica, tudo seja feito para que esta questão seja resolvida o mais rapidamente possível.

Miguel Bordalo

A febre destes dias

Numa época que como já disse aqui é contraditória e cheia de conflitos, onde muitas vezes se medem as afinidades pelo valor das prendas... 5 euros para os conhecidos, 10 euros família afastada, 15 amigos mais próximos, 20 familiares nucleares, 30 amigos mais próximos, mais de 50 para o parceiro amoroso... e por mais que se posso invocar hipocrisia é um facto, mais ou menos feito nestes termos, por grande parte das pessoas. Muitas vezes há quem se exceda e durante uns tempos vive com dificuldades por causa de uma época de deveria ser uma celebração daquilo que há de bom e positivo nesta vida...

Continuo a gostar do natal no entanto... cheguei do Porto ontem com 38 de febre, estou doente e chateado porque não vou poder voltar para o mar tão cedo. Andei a fazê-lo em condições parecidas e resultou nisto. O mundo anda meio perdido com uma tragédia de proporções gigantescas. As imagens na televisão são dolorosas demais, as histórias também... gostava que fosse só um sonho febril terrível, gostava que tudo fosse um sonho febril doentio, tudo! A fome, as guerras, os atentados, os abusos, as mortes desnecessárias... que tudo isto resultasse de uma febre que nos atingiu a todos e que eventualmente nos vamos tratar todos, e que a partir daí tudo vai melhorar, e a humanidade vai dar o passo fundamental e global para que saudáveis nos consigamos tratar todos uns aos outros...
Eu sei que estou com febre e nada disto faz sentido, mas vai ser esta a minha mensagem de natal e ano novo.

Miguel Bordalo

Nota final

Havia vários assuntos que eu queria aqui aflorar sobre este ano que está a terminar e lançar algumas questões para 2005, mas deixo essa ou essas análises para outro dia, para alturas em que não se sinta tanto a relatividade das coisas perante a maior das forças, a maior das imensidões, talvez a única verdade absoluta no meio disto tudo: quando falamos da Natureza e dum Mundo que gira sem parar nem contemplar, temos que concluír que somos demasiado pequenos perante as suas disposições. Talvez pensar nisso perspective outros erros e outros crimes que andamos a cometer pelo Mundo afora e que vão, não num instante terrível como um tsunami, mas numa sequência de instantes que se extende no tempo, provocar danos irreversíveis no nosso planeta e vão condicionar a sobrevivência plena dos habitantes do planeta Terra.
Um grande ano de 2005 para todos os Amigos do Pastelinho!Boas entradas!
MCG

Brutalidade Pura

àrea

O que mais me impressiona, para além da força absurda, é a enormíssima àrea que foi varrida por um descontrolo tão somente momentâneo da Natureza. MCG

domingo, dezembro 26, 2004

Impotência

sismo

Sea surges kill thousands in Asia
MCG

Um Natal normal

O ano passado, em pleno dia 25, fui assaltado. Um ano depois, ontem, tive um furo no carro. Este ano nem precisou de dar circo de grande qualidade na televisão. Por estas bandas, eu voltei a ser o palhaço pobre. MCG

sexta-feira, dezembro 24, 2004

Bom Natal

natal

Muito havia para dizer. Mas fico-me pelo desejo de Bom Natal. Cuidado na estrada. MCG

quinta-feira, dezembro 23, 2004

Passatempo de natal

Podem escrever quantas respostas quiserem, porque aposto que há muitos factores e teorias para um dos problemas mais fundamentais e intrigantes que alguma vez existiu neste planeta:

Porque é que a galinha atravessou a estrada?

Pastelinho de férias de natal

Excepto se cair mais alguma coisa, se acontecer algo de extraordinário, o pastelinho vai estar fechado. O governo está demissionário, continuam a haver notícias sobre o estado lastimoso das contas públicas e todos os dias há desentendimentos entre membros do governo, tudo vai normal portanto. Eu vou de férias para a invicta passar o natal onde gosto, ao pé da minha família. Por falar em família! PARABÉNS PRIMA PELO NASCIMENTO DA PRIMEIRA FILHA!!!!!!!!! Momento muito celebrado na minha família! Vai ser um natal ainda mais especial!
Volto na próxima semana, o meu camarada do blogue está para a terrinha dele, com bom surf aposto, não se ligará muito aqui às internets, ou talvez não. Por isso deixo aqui o meu feliz natal a todos os que acompanham o blogue, penso que ele tem tido um crescimento sustentado, cada vez mais com leitores assíduos e comentadores interessantes. Fizemos nestes últimos tempos amizades inusitadas e felizes, a eskimo, o mfc, a Catarina (que agradeço muito o email, responderei depois do natal, é a azáfama!), a Madalena Preto e eu especialmente com Daniel Sampaio, (não tanto uma amizade mas um respeito pela sua postura, elegância e humildade. Ele não vai ler isto mas é importante dize-lo.) Espero não me estar a esquecer de ninguém, porque os outros já conhecíamos. Aos outros mais tímidos vão aparecendo e talvez no próximo passatempo do pastelinho possam participar.
UM BOM NATAL!

Miguel Bordalo

quarta-feira, dezembro 22, 2004

Coisas por fazer...

Há coisas por fazer, mas enquanto não arranjo tempo para as escrever, vão vendo as análises da segunda pessoa que conheço que percebe mais de F1, depois do meu avó, o Grande líder branquista, aqui no Água em Pó. Para quem gosta do desporto, vão acompanhando.

Miguel Bordalo

O mundo onde as coisas impossíveis acontecem

Ontem fui ao estádio da Luz, muito bem acompanhado pela minha namorada, (pergunta: porque é que as mulheres nunca se agasalham bem?) De assinalar que ela adivinhou o resultado!
Ando preocupado com o meu clube, ando preocupado com alguns jogadores que jogam nele, (uma preocupação clubística! nada de grave). Mas a verdade é que quando vou para o estádio é para apoiar, e tanto vou a um Benfica-Porto como vou, como ontem a um Benfica-Oliveirence. Ontem não esperava ver um grande jogo, fui lá para encher o estádio e dar apoio a uma equipe ferida e manca, de tantas lesões. Nunca pensei ver o jogo que vi, e nunca pensei que os meus 5 euros! (Finalmente!) Fossem tão bem gastos! Rendessem tanto!
É certo não gostei do ambiente que me rodeava. Durante o jogo tive de mandar umas bocas para defender alguns jogadores, inclusive o Simão! Há gente que vai para o estádio só para dizer mal, queixarem-se da vida, e malhar no Trapattoni que anda a fazer omoletes sem ovos! E que faz tudo o que me parece evidente e é preso por ter e por não ter!
Mas o que eu gostei foi do jogo, no apito inicial comecei a perceber que a claque da Oliveirence foi a mais activa, com muita gente no estádio da Luz! Começa o jogo e é notório o desinteresse dos jogadores do Benfica, jogam lento, apesar do suficiente para chegarem com algum perigo à baliza adversária, jogadas que eram facilmente interrompidas por um guarda-redes que se revelaria muito mais do que se passou neste minutos iniciais. As jogadas da Oliveirence eram bloquedas com algum à vontade, até que fizeram uma jogada mais perigosa, Argel ficou nas covas (o que é de Argel se não tiver Ricardo Rocha), e a Oliveirence ganha um canto. Canto marcado, confusão dos diabos, Quim no chão, remate de cabeça, que podia ser com o pé, e golo da Oliveirence! Festa brutal, até de alguns benfiquistas mais histéricos. O Benfica pega no jogo e começa o descalabro! Apesar de alguns contra-ataques perigosos, a Oliveirence só teve mais uma oportunidade real para marcar o 2-0, isolando um jogador que não teve instinto para criar o descalabro.
Pelo Benfica só vi golos falhados, e podia jurar que se não fosse a inexperiencia dos defesas da Oliveirence, não a qualidade, visto que defenderam mais ou menos bem, mas fizeram três pénaltis todos eles claros. O primeiro vi Simão a falhar nitidamente por falta de concentração, ele nunca falha pénaltis! Vi o Sokota a falhar, porque pensou em enganar facilmente o guarda redes, se o Simão mandou para aí também vou mandar, e duas defesas fabulosas resolveram o castigo máximo. Várias outras oportunidades ou falharam o alvo ou eram defendidas de uma forma fabulosa pelo guarda redes! Karadas falhou coisas incríveis, Simão também, e Sokota para não variar. Acontecia tudo! Às tantas Manuel Fernandes manda um petardo à baliza, que bate no poste, bate nas costas do guarda-redes e falha a baliza! No terceiro pénalti Simão chateado marca como sabe, deixa o guarda redes mexer-se primeiro ou envia a bola tão colocada e com força que se o opositor não tentar adivinhar não chega lá! Tudo aconteceu, o jogo da vida do Oliveirence e mais um jogo discreto do Benfica, pouco esforçado e pouco concentrado.
A expulsão do Raul foi mal feita, a primeira falta merece o cartão, a segunda não. Vista com dez jogadores e sabendo que o guarda-redes já tinha defendido duas grandes penalidade, apostaram nelas. Só defenderam! E mesmo assim os ataques do Benfica não resultavam, tudo se tentava e nada! No prolongamento, e de uma forma inglória quase, a Oliveirence sofre após outra confusão brutal, um auto-golo. Tinha acabado o jogo. Os outros dois golos a minha equipe não os merecia, mas deu para afastar alguns fantasmas.
Só para descrever o ambiente que se passou, e para demonstrar que ontem aquele jogo é impossível repetir-se, Simão vai a lutar por uma bola, naquelas correrias frenéticas dele para pegar numa bola ao pé da bandeirinha de canto, perseguido por um esgotado e espumante elemento da equipe adversária! Simão irritado pela eminência de ir perder a bola chuta-a contra a bandeirinha de canto, mas pisa-a, o outro jogador meio cego e já com um pulmão a apitar baixa o centro de gravidade para descansar do esforço adicional e da perseguição bem sucedida, Simão tira o pé da bandeirinha que entretanto tinha ficado debaixo do pé do goleador do Benfica, e faz com que este poste amarelo seja disparado que nem um foguete para o seu estado vertical habitual, e qual desenho animado! Estatela-se na cara do perseguidor! Pau! Gargalhadas de meia noite! Aconteceu tudo ontem, mas mesmo tudo. Até eu ter pena da equipe adversária no prolongamento.

Miguel Bordalo

terça-feira, dezembro 21, 2004

Um pouco de sabedoria carocha

“Os carros são como os ratos, ninguém sabe onde estão, mas escondidos lá vão aparecendo!” Arrumador anónimo do Colombo.
Pois...
...?...

Miguel Bordalo

segunda-feira, dezembro 20, 2004

Esta nossa vida dá com cada volta

Desde pequeno que sou fã do Astérix, para falar a verdade nem nunca gostei muito do Astérix, sempre fui realmente fã do Obélix, mas como o outro tipo vinha sempre colado olha! ;) Deve ser o complexo da força...
A verdade é que sempre li com enorme gozo as aventuras dos irredutíveis gauleses, sempre foram uma grande banda desenhada, mas há um número em especial que eu considero ser o melhor dos Astérixs, é um brutal manifesto político! “Astérix e os Godos”. Lembra-me um pouco o que se está a passar em Portugal, só que não identifico nem o druida, nem os dois heróis nem muito menos a poção mágica. De resto é igual!



Se estiverem a pensar em comprar um Astérix comprem este, brilhante!

Miguel Bordalo

Que continue o torneio da auto-flagelação

Sócrates, já plenamente confiante da sua vitória anuncia a co-incineração como medida inevitável do seu governo!
E hoje foi, felizmente, chumbadas as medidas de Bagão Félix para manter o déficit a baixo dos 3%.
Enquanto Sócrates vai mostrando que tem os mesmos amigos dos tempos do governo de Guterres, Bagão continua a demonstrar a total incompetência deste governo, e mais! Vai mostrando que o projecto que os partidos de direita têm para o país está errado. Portanto, por enquanto dou a vitória neste round a Bagão e à direita. Mas!... continua Sócrates, estás lá perto!

Miguel Bordalo

Pastelinho a meio gás

Entraram as férias e o pastelinho fica a meio gás. Esta época nunca dá tempo a ninguém. Fica-se sempre pela azafama das compras, o correrio dos jantares e os programas adiados para tempos de férias.
Nem meia hora tenho para reacender uma discussão musical. Nem meia hora tenho para descascar no governo e falar do estado da política em Portugal, que passou de quem é que tem mais prestigio ou não, para quem é que sofre mais ou não, ou quem é que é menos sério ou mais ou menos sério. Nunca tivemos na realidade uma política programática clara, com argumentação séria, então nestes últimos tempos é um descalabro...

Não acharam estranho que o presidente se tenha sentido mal. E em vez de ter ficado alguém a acompanhá-lo, abandonaram-no todos, sozinho prostrado num banco de uma escola, com olhares gazeados à procura de conforto, e só passado um bom tempo é que algumas senhoras se dignaram a tapá-lo... foi uma situação realmente estranha... Na realidade até Soares deu mais nas vistas nesta fase descendente e final da sua carreira presidencial. Executando um triplo “summersalt” partindo o braço e aparecendo por todas as televisões à face da terra! Até na queda o homem esteve em grande, como sempre no mal e no bem.

Miguel Bordalo

domingo, dezembro 19, 2004

A época natalícia

Fiquem a saber que sou dos poucos que gosto desta época. Gosto do Natal! Tenho tradição, gosto das cores que aquecem o inverno, gosto da azafama que faz de mim um indivíduo urbano, perdido e solitário rodeado de caos e momentos para observar. Sou no fundo, e cada vez mais contrariado, um sociólogo. É uma época perfeita, cheia de contradições e conflitos, uma época cómica mas também calorosa.

Mas há uma coisa que piora mais que tudo na altura do natal, um conflito completamente inerente à época, “O natal dos hospitais” !!! É que há pouco que possa descrever este momento televisivo, tudo o que há de mau neste país aparece nestas festas terríveis, em horário nobre da televisão, a tarde quase inteira! E o mais estranho é que muitas vezes, os doentes coitadinhos! Que não lhes bastava estarem doentes, parecem estar a gostar da festa degradante da música de feira, maus cómicos, péssimos palhaços e ainda piores “entertainers”... E deparando-me com este óbvio conflito basta-me dizer, nenhuma época é perfeita!

Miguel Bordalo

Aí foi?

E eu a pensar que Pinochet era um acidente vascular cerebral...

Miguel Bordalo

sábado, dezembro 18, 2004

Realmente não é a mesma coisa

Quer dizer Ivan, acordar de ressaca é completamente, ou mesmo, radicalmente diferente que acordar de ressaca com a Elizabeth Shue ao lado! A primeira diferença é que as tuas opções ficam muito reduzidas!

Este é o problema dos blogues que eu gosto não terem comentários! Isto seria um comentário!

Já quando acordou desfocado pensei, espero que não tenhas para voltar para casa uma Julie Kavner, não seria muito agradável...

Miguel Bordalo

Sábado começa de tarde?

Hoje pela primeira vez em muito tempo acordei no sábado pela uma da tarde. O que significa duas coisas, que não fui fazer surf, e que fui um irmão (qualquer coisa) e fui buscar a minha irmã à noite, como normalmente vou, mas por vezes consigo ir fazer surf na mesma. De facto houve por aí acusações que não levo a sério se não forem feitas por um irmão mais velho de uma irmã. Nunca por filhos únicos, irmãos mais novos! Ou irmãos mais velhos de irmãos do sexo masculino! É que ser irmão de uma irmã mais nova tem muito que se lhe diga! Tem de se aprender a disparar uma arma de fogo muito cedo na vida, e tornámo-nos rapidamente alunos de artes marciais! E quem me conhece sabe que sou! No fundo é a antevisão de ter uma filha! MT a tua filha vai ser como as tuas amigas? Aí pois é!

Ps: Chamem-nos chatos, eu não me importo!

Miguel Bordalo

E o Benfica a pedi-las

Como já aqui foi afirmado, não foi por causa da derrota copiosa do Benfica frente aos Belenenses que nós aqui no Pastelinho deixámos de ser um bocadinho que seja do nosso clube. Pelo contrário, pela minha parte essa clubite aumentou no meio de todo aquele sofrimento. Hoje gostaria de estar no estádio, mas vou perder um jogo devido a um jantar importante.
Mas o que eu vinha aqui dizer é que apesar da minha clubite aguda, sou cada vez mais contra esta direcção actual. E não o sou por causa da equipe, ou a “política de contratações”, muito menos pela escolha do treinador, que me surpreendeu tanto quanto me agradou. É que Trapattoni faz omeletes sem ovos! Já discutia isto com o Manel no outro dia no estádio (vazio), é que esta direcção não sabe promover o Benfica como deve ser! Todas as actividades que fazem são ridículas, os preços dos bilhetes no estádio da Luz são um disparate de caros, o pior lugar para sócio neste estádio custa no mínimo 9 euros, normalmente 11 euros, nos jogos mais caros 15 a 19 euros, em lugares maus! Nos bons lugares é um disparate! É que no Porto ou no Sporting os bilhetes não diferenciam assim tanto os preços, que para sócio no estádio da luz chegam a atingir os 50 euros! No Porto para todo o estádio são 5 euros! CINCO! O que eles querem é o estádio cheio, e a longo prazo isso vai dar-lhes mais dinheiro com certeza!
Hoje, para trazer mais pessoas ao estádio vão tentar bater o record do guiness de pais natais! Ora porra! Não só não me parece que hoje apareçam o número de pessoas necessárias, como será um gozo fácil ao Benfica, que pôs os seus principais jogadores vestidos de pais natais! O ridículo é demasiado. Vamos agora ouvir, nem esse record são capazes de bater, ou é o único record que são capazes de bater, esse a das derrotas humilhantes, ou qualquer coisa assim do género... É o Benfica a pedi-las porque a direcção se perde no acessório e não quer ir ao essencial. Para quando um grande presidente para o Benfica, rodeado de gente competente? Espero que o Luís Filipe Vieira me contradiga, seria bom sinal, mas não me parece.

Miguel Bordalo

Voltei!

Voltei do meu retiro! Para já os meus agradecimentos redobrados e públicos ao Alex (leitor assíduo deste blogue), ao Diogo e à Lurdes pela recepção mais que perfeita, fizeram-me sentir mais do que em casa! O meu grande obrigado!

Estou cheio de vontade de escrever no Pastelinho, nestes poucos momentos de solidão que tenho quando estou sozinho no meu quarto, no meu espaço... Tenho um enorme número de coisas para dizer, uma discussão para retomar, e um governo que terei de malhar já que ainda está a governar e as notícias não têm sido boas. São quase 3 da manhã, tenho não tarda nada de ir buscar a minha maninha à “noite”, por isso fica o recado do meu retorno, mas também um protesto! É que pessoal: só o Chico é que enviou um texto sobre a sua viagem, estava à espera de um pelo menos da Eskimo, e mais alguns que tivessem coragem para se apresentar. Mas provavelmente isso é uma mensagem de que não querem sair do país por razão nenhuma, e eu acho bem, mas não precisam! era um “suponhamos”... Abraços e beijinhos, até mai logo!

Miguel Bordalo

quarta-feira, dezembro 15, 2004

O Barnabé está refém

O Barnabé André Belo resolveu suprimir os comentários aos seus posts e parece que não vai ser o único. A decisão prende-se com comentários idiotas e caluniadores que eles têm todos os dias, mas que raio é que eles -os preferidos por 1 milhão de portugueses- queriam?
Eles são provavelmente o blogue mais lido, mais comentado, mais amado, mais odiado. Mais tudo. É por isso um espaço preveligiado para o insulto, para a calúnia ou pura e simplesmente para dizer idiotices só ao alcance de tipos que são autênticos personagens ao melhor estilo Ena Pá 2000, só que de direita.
Essa minoria barulhenta e malcriada pelos vistos, tomou conta do Barnabé. Por hoje foi o André a não ter paciência para "apagar lixo", amanhã pode ser outro qualquer. A blogosfera é um espaço de debate, onde os comentários são, pelo menos para mim, um espaço essencial num blogue -por isso não leio os de direita- e sonegar o direito ao debate por causa dos quantos pacóvios parece-me um precedente grave.
Os tipos que andam a estragar o espaço de comentários do Barnabé, podiam ser aquele tipo de gajos que se enfiam na casa de banho da RTP com uma arma aos berros e o André Belo foi o primeiro a levar-lhes uns bolinhos e um cházinho. A partir daqui tudo é possível, os tipos -esses ou outros piores- já sabem o que terão que fazer para começar a corroer um blogue. E vamos ver onde isto vai parar.
A bem de quem gosta de discutir o e com o Barnabé não acabem com os comentários. MCG

Esquerda Unida

Pela primeira vez na história do município de Lisboa o Orçamento e Plano de Actividades da Câmara da capital para 2005 foi ontem chumbado pelo PCP, PS, PEV e Bloco de Esquerda que detêm a maioria na Assembleia Municipal. Apesar do chumbo o presidente da autarquia, Carmona Rodrigues, afastou a possibilidade de apresentar um documento alternativo ao que ontem foi reprovado no valor de 821 milhões de euros. «Não ouvi [da parte da oposição] propostas alternativas concretas que nos permitissem dizer que traríamos um segundo orçamento, que incluísse as sugestõeso», afirmou o autarca alfacinha. , in a Capital
A doce ilusão da união. MCG

terça-feira, dezembro 14, 2004

Xiuuuu

Há coisas que não interessam mesmo. Só mesmo um algarvio para trazer esta notícia à baila. Pedro, Vê-se mesmo que estás fora do eixo intelectualmente correcto Lisboa-Lisboa. Sobre isso não se fala. Not fashion enough, mate. Not fashion enough. MCG

Nem saem de cima

Afinal o que é isto? O PSD e o PP vão-se candidatar sozinhos, mas têm um acordo pré-eleitoral? "Clarificação"? Parece-me mais uma saída improvisada em cima do joelho.
Depois dos números de circo, dos números de teatro e dos números de vitimização, tudo termina com um número simples e matemático, selado num confuso assinar de pápeis para português ver. Assim os "poderosos" o ditaram. Os "maus". Os amigos do Presidente. Que, como muito bem disse Miguel Sousa Tavares são os mesmos que financiam os seus partidos. Mas qual foi afinal o último dos números? É o resultado de uma simples soma. Um número literal. Sem teatro, sem pudor, sem vergonha. A política proposta por PSD e PP para Portugal é uma simples, eventual e redonda soma de votos. MCG

Deixem o Liedson em paz

"Deixem o Liedson em paz" é o novo êxito do dirigismo português. O autor, é desta vez Paulo De Andrade. O novo grito de esperança, depois -sempre depois- do êxito benfiquista "Deixem Jogar o Mantorras", é um alerta contra a possibilidade de Liedson ver um cartão amarelo que o impeça de jogar contra o Benfica e sobretudo contra os foras de jogo injustos mundo afora. Vamos todos contribuir para esta causa, unidos na esperança dum mundo melhor. MCG

Os panfletários esquerdistas atacam de novo

Economist arrasa Governo de Santana, in A Capital.
"A imagem global é a de um Governo sem liderança efectiva e com falta de coordenação política"
MCG

Governo à Esquerda?

O Partido Socialista admite formar uma coligação governamental com o Bloco de Esquerda. Pode ser o concretizar de um namoro latente, até agora, mas uma jogada de mestre de Sócrates também. Primeiro, porque, caso não tenha maioria absoluta -cenário que mete alguma impressão, principalmente porque assim o País Relativo passaria a chamar-se Henrique Chaves- garante a governabilidade. E este facto tem tanto de lógico como de importante, porque garante não só a governabilidade matemática como o controlo absoluto duma eventual coligação, isto porque me parece que o Bloco de Esquerda não seria tão mimado quanto o PP, tão impertinente e jogador de risco, quanto mais não seja por causa dos complexos de esquerda.
Depois, porque chamando o Bloco para tarefas governamentais -outra interrogação é saber quem é o BE tem para além Louçã-, para além de dar o habitual soco no PCP, dá também um soco no Bloco, ligeiramente mais cínico. É tão simples quanto isto, o BE não é necessariamente o somatório dos votos do PSR, da UDP e da Política XXI, é um refúgio para os descontentes, para uma faixa sobreudo urbana e maioritariamente intelectual cujo voto de protesto chega via Bloco. E a sua lógica é a da contra-poder, não de poder. Daí que neste cenário possamos ter, das duas uma, ou um afastamento dos descontentes que já não reconhecerão o Bloco como a tal força irreverente de natureza contra-poder ou, por outro lado, ficarão todos muitos contentes por ver o Bloco no governo -o que eu duvido muito e seria altamente chocante. O fenómeno Bloco poderia vir a ser posto em causa, seja de que modo for. E, a longo prazo, quem beneficia da erosão do Bloco é o PS.
MCG

PS: Esclareço também que um governo à esquerda teria, à partida, o meu apoio mesmo não colidindo com o meu sentido de voto.

A capital oficial do caos

Um tipo já não pode vir para Lisboa, tentar fazer uma vida normal e pacata. Uma coisa assim mais urbana. Demitem-se governos, o Benfica leva 4 e há terramotos. Não sei se seria possível qualquer coisa de mais normal. Se faz favor? MCG

PS: Qualquer semelhança com este post é mero benfiquismo.

segunda-feira, dezembro 13, 2004

Justiça

Justiça chilena coloca Pinochet em prisão domiciliária. Deste homem dizer mais vale tarde que nunca seria um mimo. MCG

Num flash para expressar a minha indignação

É impressionante o que se anda a passar na Irlanda. Já foi na França, já foi na Alemanha, e é desde sempre em países do “terceiro mundo”, como a África do Sul e a Venezuela. A verdade é que ultimamente se anda a passar na Irlanda do Norte! E quando pensamos que a Europa vai avançar para algum lado vêm notícias como esta...

Miguel Bordalo

Hipócrita!

Este sábado apanhei, só por acaso, um pouco do progama Eixo do Mal. "Só por acaso", não que eu não goste do programa, não gosto é de apanhar programas a meio e como não sei a que horas o programa começa -o que é normal sintoma que os programas não me interessam muito- até agora só o consegui ver uma vez do príncipio ao fim. De qualquer modo, este sábado, apanhei alguns pormenores dignos de registo.
Que este é um país de hipócritas, já todos sabemos. Agora assim uns hipócritas tão descarados, é obra. Exacto, não vos trago novidades.
Falava-se do congresso do Partido Comunista, e isto é certeiro, o PC é como o Benfica, todos adoram bater no PC. Da esquerda à direita fica sempre bem bater no PC, é uma coisa que une -e isso mete-me impressão- pessoas inteligentes ao maior dos anormais numa unanimidade meio doentia.
E falava Clara Ferreira Alvezs, uma mulher que há cerca um mês, aquando da polémica sobre a sua pseudo-indicação para directora do Diário de Notícias, se sentia triste, oprimida e sufocada pelo machismo exarcebado, ofendida na sua dignidade e no seu enorme ego, na sua crónica do Expresso, ao escrever sobre um tipo qualquer que tinha tecido considerações sobre o seu "cabelo" e a sua "excessiva maquilhagem". Estava chateada, a Clara Ferreira Alves e até com alguma razão.
Este sábado parecia outra, a Clara Ferreira Alves. Aparentemente as questões fisionómicas até tinham a sua piada. De novo. Pelo menos foi o que depreendi quando a senhora disse que a renovação do PCP começava na cara de Jerónimo de Sousa, e ela enfatizou cara fazendo um gesto à volta da sua cara. Já o Daniel Oliveira há uns tempos tinha feito uma alusão ao aspecto físico de Jerónimo de Sousa, nada de especialmente maldoso é verdade, mas suficentemente perceptível, uma espécie de mensagem subliminar entre o gozo e o conteúdo político. Mas o Daniel Oliveira, que eu saiba, não andou aí armado em prima donna chorona versão intelectual, porque alguém tinha glosado do seu "cabelo" ou da sua "excessiva maquilhagem". Se alguém se julga acima dos outros, num trono altivo e moralmente superior, neste caso, sob a provocação, que não atire pedras recheadas de hipocrisia depois. Ainda por cima sempre aos mesmos. MCG

Depois de Santana e Portas...

Desta vez não foi um abalo na democracia. Foi mesmo um tremor de terra. Alguém sentiu? MCG

PS:Isto abanou mesmo.

Orgulhosamente sós...

..num mar azul. Era só para esclarecer que o nosso Pastelinho é o de Benfica. Podem-nos massacrar a defesa toda, mas nunca lixar-nos o orgulho. MCG

sábado, dezembro 11, 2004

Esta demissão do Governo

Eu não vou a discotecas, mas quando ia apareciam por vezes uns tipos que só faziam porcaria, e claro, tinham se ser expulsos! A sua expulsão nunca era fácil, berros, gritos, indignação, apelando à discoteca toda, que só queria que ele se fosse embora! Já quase ao pé da porta, num “só falta o pontapé no rabo”, faziam postura de estado e diziam – AGORA QUEM QUER SAIR SOU EU!!! – Se não foi isto o que se passou com este governo?...

Miguel Bordalo

Um abraço fraterno com admiração

Hoje faz anos o meu melhor amigo. É certo que eu sou um tipo de poucos amigos. E os pouquíssimos que tenho são os meus melhores amigos. Mas dentro dos meus melhores amigos ele é o que mais fraterno. Aquele quase irmão, aquele amigo para sempre, um inevitável. Por várias vezes foi ele que me manteve à tona, a minha fraca habilidade para manter amigos nunca foi um empecilho para ele, pelo contrário, pareceu mais um desafio...
Conheci-o tinha eu três anos... foi à 21 anos! Na primária apesar de algumas lutas fratricidas éramos todos amigos, nem mais nem menos. Conheci-o com uns óculos estranhos, grandes demais para a cabeça que tinha, e cedo demonstrou capacidades quase inacreditáveis nas discussões futebolísticas. (Reparem! Uma vez eu e o Caracol perguntámo-lhe quais eram todos os campos e todos os treinadores e todos os jogadores da primeira liga e ele respondia sem um segundo de ponderação. E a segunda liga era quase a mesma coisa!) Essa habilidade transferiu-se depois para coisas mais construtivas. Mas ele não se ficava pelo futebol falado, era provavelmente o mais dotado jogador de futebol em todo o Fernão! Na altura era um estatuto e pêras! Mas foi mais no 7º ano que as nossas amizades deram uma curva decisiva, juntando-nos às hostes e tropas do professor Arnega, tornámo-nos discípulos de uma das maiores figuras que tivemos oportunidade de conhecer! Remo era o desporto. Bons tempos! Só para vos contar uma história de humor muito negro: o nosso instrutor, Arnega, tinha uma mulher muito doente, à qual nos prometia a sua morte inevitável dentro de dias! Isto durante meses a fio! A principio ficamos todos sorumbáticos e preocupados, mas todos os dias a mulher resistia, e por vezes tinha recuperações milagrosas! (só para não ficarem preocupados, ela ainda hoje é viva, a não ser que tenha tido um acidente de automóvel, nas estradas portuguesas nunca se sabe...) Mas um dia, bem de manhã, preparados para entrarmos dentro de água chegou-se a nós, e com lágrimas nos olhos disse – aí a minha mulher... – não sei bem porquê... se eram gozos acumulados, ou o facto de algumas experiências sexuais fazerem a antítese das conversas sobre a sua mulher! Mas as pessoas à minha volta, quatro mais eu, partiram-se a rir! Mas disfarçando! O Vasco começou a fingir que assobiava para o lado. (Exclui a hipótese, não podia fazer o mesmo que ele!), o Afonso começou a mexer nos sapatos, (excluída a hipótese), o Gonçalo começou a fingir que falava com um homem que passava, (excluída a hipótese) e o meu amigo virou as costas para ver o barco, (excluída a hipótese). Até ao dia de hoje lembrei-me de vários disfarces que podia ter feito, mas não me saiu nada, parti-me a rir na cara do mentor, e depois tentei confortá-lo de uma maneira estranha, e tudo perdido de riso...

Como esta história passei várias até mais estranhas. Algumas com muita piada, outras mais envergonhantes, outras mais hilariantes, umas mais sérias, outras só com piada, mas todas elas com um elo de uma profunda amizade que sei que nunca vou perder. Foi uma história que me lembrei hoje que o Manel faz anos, o meu colega de blogue, de ondas e de amizade. Parabéns Manel, um abraço enorme!

Miguel Bordalo

Uma viagem catalogada

Aqui vai o primeiro dos relatos de viagens ao estrangeiro aqui no Pastelinho. Pessoas que estejam um pouco revoltadas pelos partidos do actual(ou quase) governo ainda ter expressão nas sondagens. Agradeço ao Fransisco Castor pelo seu email que agora publicamos.

Dia 1 – segunda, Agosto 04, 2003

Vou-me abstrair do panorama português por uns tempos. A melhor maneira de combater incêndios é com água, vai daí, estou a caminho de Barcelona onde encetarei um cruzeiro pelo Mediterrâneo.
Para já, isto não começou muito bem: chegámos um bocado em cima da hora ao aeroporto, e em vez de irmos às 8h20 como previsto, só lá para as 13h. Um gajo aguenta-se!



Dia 2 – terça, Agosto 05, 2003

Hoje desci na primeira paragem: Villefranche.
É uma bela vila portuária, que data do século XII, segundo disse a senhora que nos levou numa visita guiada. É muito pequenina (a aldeia, não a senhora), e fica, como acontece frequentemente na zona, na encosta que se estende até ao mar. Tem casinhas de várias cores, turistas de várias nacionalidades, e água de um só tom: azul. Sendo assim, é belíssimo.
Fui depois até ao Mónaco, e vi, em frente ao Casino de Monte Carlo, todo airoso, o nosso velho amigo Pedro Caldeira. Lembram-se dele? Do desfalque? Os que ficaram miseráveis, continuam na miséria, e ele passeia-se em MC mais com ar de instalado do que de exilado. É assim...
Voltando à viagem, o meu companheiro de quarto perdeu a mala no aeroporto. Disseram-lhe que era hoje que nos davam a mala (a partida foi ontem), mas afinal parece que só na 5ª. A ver vamos.
Hoje, cada vez que nos perguntavam de onde éramos e nós respondíamos «Portugal», todos nos confrontavam com o fogo. Finalmente fala-se de Portugal, e é pelos piores motivos.



Dia 3 – quarta, Agosto 06, 2003

Hoje, meus amigos, era suposto ir a Florença. Digo era, porque ninguém mostrou disponibilidade, e eu não me metia num autocarro sozinho para uma cidade que fica a 100 km daqui, num país desconhecido. Para mais, a única coisa que sei dizer em italiano é «ci sonno lumache» e nem sei como é que se escreve ( quem souber, que me diga s.f.f.).
O melhor que fiz foi ir a Piza ver o do costume (que mais pontos de interesse há naquela cidade?). No caminho de Livorno para lá, depois de quase atropelarmos um tarado que quis apanhar um papel no meio de um cruzamento, vimos um acampamento militar norte-americano, que, disse-nos o taxista, tinha 12 km por 4. Deve ser o Vaticano made in USA.
De resto, nada. Estou de trombas porque queria ir a Florença.
É verdade: agora de noite vi, não sei se na Córsega se na Sardenha (estava longe, não ouvia que língua falavam), um incêndio danado. Grande como tudo, um incêndio muito bem feito, e fiquei com saudades de casa. É que em Portugal os fogos são mais bonitos...
Dia 4 – quinta, Agosto 07, 2003

Hoje, companheiros, fui a Roma. Saí tarde do barco, voltei cedo, e vi tudo a correr. Estavam, sem exagero, uns 40ºc, portanto já estava habituado. Fui à Fontana di Trevi e lembrei-me daquele filme do Fellini, «La Dolce Vita» com o Mastroiani e aquela gaja boa que nunca me lembra o nome.
Esta cidade é linda... Onde quer que se vá vêem-se vespas, turistas, e polícias; por esta ordem. As vespas são fixes porque sim; os turistas são fixes porque trazem as filhas; os polícias são fixes porque têm nome de gang de caubóis, e fardas que nos fazem rir. Agora a sério... aquelas turistas!!... Bem... aqueles monumentos (os verdadeiros, não elas)... lindos... o Panteão: já lá foram? É muito fixe (e tá cheio de gajas!!!).
Agora mais a sério: estou aqui no gozo porque Roma é daquelas cidades que não se descrevem com palavras. É uma cidade que se descreve a si própria, através das ruínas que ficaram até aos dias de hoje. É uma cidade onde nos sentimos parte da História, que nos faz esquecer tudo o que é imediato e terreno, só pensamos no passado, e na melhor maneira de compreender tudo o que vemos, de explicar a magnificência aos nossos olhos, para depois a transmitirmos a alguém, como eu estou a tentar fazer convosco.

Pausa para jantar.

Depois de jantar fiz algo que nunca julguei possível: uma hora de exercício. EU!!! E depois, piscina, mais uma horita. Depois vim descansar, eu mais o meu companheiro de quarto. A seguir fomos fazer um joguito de mini-golf, e encontrámos uns americanos que queriam jogar soccer; passados uns minutos já me chamavam Figo (se eu era o Figo, eles eram um Paulo Madeira, ou um Secretário), dada a velocidade com que marcava golos. Foi lindo, levámos uma coça no Mundial, mas ali, na arena, onde o jogo mais conta, onde os homens se enfrentam cara a cara, sem pudor, mano a mano, ganhámos nós.
Já são 5h da matina, vou dormir.



Dia 5 – sexta, Agosto 08, 2003

Hoje passei o dia a dormir.



Dia 6 – sábado, Agosto 09, 2003

Hoje fui à ilha dos gays: Mykonos. A ilha é muito bonita, e tem muitas gajas boas. Como sou boa pessoa, comprei uma prenda à minha namorada. O resto do dia... fiquei no barco a mandriar, e a ganhar jogos de sueca.





Dia 7 – domingo, Agosto 10, 2003

Hoje fui a Santorini. Deve ser a mais bonita das ilhas gregas. A ilha é um vulcão, cuja cratera está submersa. O bonito é que do porto para a terreola só se pode ir de teleférico, de burro, ou a pé; não há hipótese de fazer lá uma estrada.
A aldeia em si é muito bonita: casas brancas, janelas azuis, bem como as cúpulas das igrejas ortodoxas. Estava na esplanada do restaurante Sphynx, a ver a paisagem, e via casas até certo ponto, onde, como a encosta é muito íngreme, se via logo o mar... nada de praias ou portos.
A ilha tem também uma cidade antiga espectacularmente conservada. Não pude ir lá, mas já a conhecia; é linda. De qualquer maneira fiquei triste por não ter ido, até porque estava com um amigo que não a conhecia, e ele teve que ir levar os avós ao barco, e eu fiquei com três monas que não queriam ir.
Lixei-me... e fiquei chateado o resto do dia.



Dia 8 – segunda, Agosto 11, 2003

Hoje fui a Atenas... o berço da civilização moderna.
Fui numa excursão com o tempo contado; resultado: 20 minutos para ver a Acrópole. Plano dos acontecimentos: 10h40 – chegada ao sopé da Acrópole; 10h45 – chegada à bilheteira; 10h50 – compra de bilhetes e início da corrida; 10h53 às 10h58 – corrida pelo meio dos edifícios, com fotografias em movimento; 10h59 – início da corrida descendente; 11h02 – chegada, com puxão de orelhas, ao autocarro. Depois fui vaguear pela cidade à procura de alguma coisa qua valha a pena ver atrás de um vidro... não encontrei!
À noite vi «To Catch a Thief», no cinema do barco.



Dia 9 – terça, Agosto 12, 2003

Hoje foi outro dia no mar.
Acordei às 12h30, saí do quarto à 14h00, e as únicas coisas que fiz, foram: comer, ver jogos de vólei, jogar mini-golf, fazer ginástica, comer, escrever isto.
Ah! Estive a ver o Harry Potter, o segundo, depois de jantar. O filme é giro, pensei que fosse pior.
Enquanto escrevo isto, estou a ver a «Janela Indiscreta». Muito bom.



Dia 10 – quarta, Agosto 13, 2003

Hoje fui a Malta.
Fui numa excursão organizada pelo barco, e voltou a dar merda. Fiquei com a ideia que vi tudo, menos o que valia a pena ver: La Valleta. Andei a passear pela ilha, e não fui à cidade. Que grande merda! Olha, fica para a próxima.
Fiquei a saber que o «Gladiador» foi filmado lá, e vi do barco o estúdio de exteriores de um filme que está para sair, o «Tróia» (ou algo assim), com o Brad Pitt.
Sendo que não vi nada de jeito, não há nada para contar.



Dia 11 – quinta, Agosto 14, 2003

Capri, e um bocado de Nápoles.
Calor, calor, calor. Capri, c’est fini, e nem sequer gostei muito.
Nápoles é que é muito fixe: edifícios dos séculos XVIII e XIX a rodos, uns atrás dos outros, e um castelo renascentista, muito tétrico, à entrada do porto. Bonito e assustador.
O pior foi o calor: os meus pais constiparam-se à entrada do barco, que estava frio. Mas acho que a cidade vale bem uma contipaçãozita.
Depois de jantar voltei ao vício da sueca, e voltei a ganhar.



Dia 12 – sexta, Agosto 15, 2003

Último dia.
Mar.
Não fiz nada.
Joguei sueca.
Ganhei.
Ginástica.
Estou todo partido.
Nada.
Descobri a mesa de matrecos... NO ÚLTIMO DIA!!!!!
Fiz um jogo muito longo, que acabou 24-23.
Vou dormir.



Dia 13 – sábado, Agosto 16, 2003

Estou a aterrar em Lisboa.

Franscisco Castor"

Governo Demite-se II

O PSD e o CDS-PP não vão a eleições coligados. Duplamente demitidos. Não há dupla que aguente, muito menos uma com o ego de Portas e Santana. O duo desfez-se. E depois ainda querem que a canção ligeira portuguesa evolua. MCG

Governo Demite-se

Afinal, parece que o autismo tem cura. MCG

Dia Confortável

Hoje, pela primeira vez em 5 meses, não trabalhei, num sábado. Hoje, pela primeira vez em 5 meses, estive em Lisboa, num sábado. Claro que, para estar em Lisboa num sábado de Dezembro tenho que sair da minha zona. Essa é a Lisboa dos que não são de Lisboa, dos que vêm ao Colombo num sábado de Dezembro pendurar-se em cima de outros que também não são de Lisboa, tudo no jogo do alho do consumismo frenético. Ora eu, salto daqui para fora. Para a Graça, só para espreitar as Portas do Sol e para um daqueles restaurantes cheios de lisboetas. Aqueles de sempre. De 80. De 90. E de 2000 também. As mesmas caras, mais umas rugas, mais uns anos, os velhos casacos ainda mais velhos, num possível arranjo de uma cidade que, sendo do fado, é das mais felizes e contentes que já vi nada vida.
Aquelas caras lisboetas que não enganam nínguem -olha, aquele tipo dos concursos, lembram-se aquele que corria todos os concursos possíveis e imaginários?, bom exemplo, lá estava- e que me fazem sentir confortável por ser de Lisboa e por estar em Lisboa. Não são caras bonitas nem feias, mas são familiares, então de Dezembro, o mês mais estranhamente familiar do ano, como quando eu era puto e ia ver armazéns de brinquedos na Baixa, ou via pessoas e carros passar no Chiado sob a batuta do polícia sinaleiro, ou qualquer coisa assim do género, confortável, daquele jeito que não temos que nos preocupar porque há sempre alguém porreiro ao nosso lado e porque, realmente, não tínhamos mesmo idade para nos preocuparmos com nada.
Caras que sim, são genética e geracionalmente tristes, marcadas que foram por 50 anos de opressão e violência mental e física, mas que tornaram essa ferida aberta num rosto fraterno, enfim familiar também, porque lembra que o tempo pode passar, mas a fotografia que se pendura na nossa memória e nos tolhe a emoção é tão só a dos dias confortáveis. De Dezembro.
MCG

Amores de Perdição

coligação

Com a devida vénia,
MCG

Vota nisso

"PS pede voto útil a todos os que se opõem à coligação PSD/CDS-PP".
E que tal um voto de convicção?
MCG

Dia 20 é o primeiro dia do resto da nossa vidas

"É em situações como a que vivemos ultimamente que as características do nosso regime ganham relevo e consequência. Que fique claro: o Presidente da República não prescinde nem compromete nunca, nem moral e politicamente o poderia fazer, o exercício dos poderes que a Constituição lhe atribui.
No exercício pleno desses poderes dá a palavra ao eleitorado. Qualquer que seja o resultado das eleições, elas constituirão sempre uma clarificação, e abrem o início de um novo ciclo político de quatro anos.
Em democracia, não há situações sem saída, por mais difíceis que sejam. As eleições são um momento importante, mas natural em democracia. Seria por isso incompreensível que o acto reconhecidamente legítimo da sua convocação fosse recebido com radicalismo ou excessivo dramatismo.
É agora, isso sim, tempo de os partidos políticos apresentarem aos portugueses as sua propostas e programas de Governo.
Vem aí, espero, um tempo de debate, de confronto de ideias, de elevação e exigência democráticas.
Aos partidos políticos, peço serenidade, tolerância para com as opiniões diversas, colaboração na criação de um clima propício a uma escolha ponderada, livre e consciente dos eleitores.
Aos portugueses, apelo para que participem activamente na campanha e no próximo acto eleitoral.
A escolha que fizerem, a força política do vosso voto e a legitimidade da nova Assembleia da República serão fundamentais para restaurar as condições necessárias à realização das reformas indispensáveis para o bem de Portugal.
Afinal, para o bem de todos nós."

Excerto da declaração de Jorge Sampaio ao país em que foi oficialmente dissolvido o Parlamento e convocadas eleições para o dia 20 de Fevereiro de 2005

sexta-feira, dezembro 10, 2004

O amigo americano

Que Portugal vendeu armas para o Irão parece ser um facto com contornos cada vez mais visíveis. Um alto responsável militar não tem dúvidas em aceitar que, a partir do porto de Setúbal, seguiram armas - no caso, espingardas-metralhadoras G-3 - directamente de Portugal para o referido conflito no Médio Oriente. Que implicações houve ou não na morte de Sá Carneiro e Amaro da Costa é uma verdade ainda por revelar.

No entanto, são muitos os indícios que apontam, não para uma rocambolesca teoria da conspiração, mas apenas e tão simplesmente para mais uma das centenas de operações secretas por todo o mundo perpetradas pelos Estados Unidos.

E, para além do autor norte-americano Siobhan Mitchell ter escrito que «o primeiro-ministro pode ter sido morto para esconder um negócio secreto de armas entre serviços secretos americanos e o Irão para ajudar os republicanos a vencer as eleições», já alguns autores portugueses, como o advogado Ricardo Sá Fernandes ou os jornalistas Inês Serra Lopes e Frederico Duarte Carvalho, tinham abordado o assunto.
, in a Capital


Ou de como a verdade que todos sabíamos pode começar a vir à tona de água. Que dirá agora Nuno Melo, do amigo americano? E Portas? E, principalmente, Durão Barroso?
E todos aqueles quantos andaram a fazer posts sobre bajuladores sobre Ronald Reagan?
O cenário são as eleições norte-americanas de 1980, Jimmy Carter, Presidente democrata e Ronald Reagan, republicano.
E Ronald Reagan tinha que ganhar as eleições a Jimmy Carter. Os republicanos quando têm que ganhar as eleições, ganham. E para Reagan ganhar as eleições, Carter não podia resolver a questão dos reféns na embaixada americana em Teerão, que já se arrastava há muito tempo. Assim, uma operação à repúblicana, falhada que entretanto foi a Supresa de Outubro de Carter que era libertar os reféns através duma operação militar que resultou num fracasso retumbante -a Desert One- procurou, primeiro boicotar toda e qualquer tentativa de Jimmy Carter para libertar os reféns, depois negociar directamente com os sequestradores, para, primeiro não permitir a resolução do problema enquanto Carter fosse presidente -o democrata conseguiria naturalmente a reeleição- segundo, o problema seria tão somente resolvido quando Reagan fosse presidente.
O pagamento? Pelo que consta, em armas. Os intermediários? Quem não sabia está a saber agora, pelas notícias que vêm a lume. No meio disto é bom que se saiba que o Irão estava sob embargo de armas, da ONU, e que nem na terra da liberdade e dos bravos (patos!) como os EUA, um mero candidato a presidente, como o era a época Ronald Reagan poderá negociar seja o que for, pois não tem autoridade para tal.
Imaginem o que seria Kerry nestas eleições ter feito um acordo com Bin Laden, à revelia das autoridades norte-americanas. E depois, já agora, porque não, furar um embargozito internacional, negociando armas.
Ah...adivinhem quem ganhou as eleições? E já agora, quantos dias depois da tomada de posse do Presidente dos EUA, é que os reféns foram libertados?
MCG

O Presente

A Câmara Municipal de Lisboa gastou mais uns milhares de contos -espero que não aconteça o que aconteceu na Figueira da Foz)- para anunciar um "presente" para Lisboa, com uns outdoor pomposos. O "presente" é nada mais nada menos que o Túnel do Marquês, de novo em marcha para estragar Lisboa de vez.
Mas que raio de presente é este? Que metáfora de mau gosto é esta?
Será um daqueles presentes que por vezes pisamos na rua e que entendemos dizer que dão sorte no amor - geralmente um tipo que pisa porcaria está a ter um dia muito mau, nada como pensar em coisas muito boas - ou outro tipo de presente?
Só me lembro deste tipo de "presente" para classificar o Túnel do Marquês. E quer-me parecer que o povo de Lisboa está farto dos "presentes" de Santana and pals. E a menos que apareça o Rui de Carvalho e a Eunice Muñoz com uma bocado de bosta na mão embrulhada em papel pardo para oferecer ao lisboetas -afinal de contas, foi assim que Santana ganhou Lisboa, substitua-se papel pardo por gel - não me parece que aquela gente volte a fazer asneiras na nossa cidade, num próximo mandato. Até lá, 2005, cuidado com as prendas...
MCG

Pastelinho em serviço mínimo MB

É claro que ultimamente tenho andado um pouco fora das blogaridades, mas a verdade é que não estou em minha casa. Vim para casa de uns amigos meus por motivo de obras. Assim não vou poder andar tão activo. Mas sempre virei cá prestar os serviços mínimos garantidos. E responder, nomeadamente às discussões dos anos 80 que se desenvolvem activamente uns posts em baixo. Não se esqueçam que o Pastelinho anda a fazer levantamento de viagens a países estrangeiros como protesto da quantidade enorme de população que ainda insiste em votar nos actuais partidos de governo. Pessoal bora lá viajar!

Miguel Bordalo

quinta-feira, dezembro 09, 2004

TV Esquerda

Esta noite, dois momentos televisivos a não perder. Jerónimo de Sousa na Grande Entrevista com Judite Sousa e, mais tarde, Daniel Oliveira e Celso Martins no Cabaret da Coxa.
Jerónimo saberá ao que vai, ele fez uma grande campanha para a presidência em 96, tem um certa telegenia do ponto de vista comunista da coisa, mas estou curioso em saber como se irá portar como secretário-geral do PCP de facto (e gravata...).
Será que vai abandonar o discurso cassete que foi celebrizado num dos mais fantásticos programas do Herman José que já vi? Será que vai voltar a dizer que o PS seguirá com as suas "políticas de direita"? Falará em "Cavaco e Silva"? Será que já tem opinião formada sobre o casamento entre homossexuais (não a tinha em 96) ? É que um homem que dança como Jerónimo dançou na campanha de 96 tem que ter opinião formada sobre o casamento entre homossexuais.
Espero que Jerónimo de Sousa se liberte um pouco da cassete e supreenda.
Depois, mais tarde, os Barnabés vão ao Cabaret da Coxa, creio que prosseguir na apresentação do seu livro, espero que seja um programa mais interessante que o Eixo do Mal, se bem que o Cabaret da Coxa anda numa fase meio decadente (eu sei, o cabaret é mesmo assim, decadente por natureza). Vamos ver se o Daniel Oliveira consegue responder à letra ao célebre Baixinho, que podia ser bem um ministro-adjunto deste governo...e, já agora, que se livrem desse complexo de estar sempre a falar no "mercado" e mais "mercado", como se uns tipos de esquerda não pudessem lançar um livro antes do Natal. Espero qualquer coisa de novo hoje. Terei sorte? MCG

A Regressão

O governo cessante já está em campanha eleitoral. E neste momento voltámos à táctica do caceteiro-populismo. De Santana a Portas, passando por Morais Sarmento, as tomadas de posição, ou birras histéricas sob a forma de "tomadas de posição", e ataques de baixo-nível, já começaram. Depois de Santana Lopes confundir as relações institucionais da democracia portuguesa com o dirigismo desportivo com o "diz que disse" em forma de uma mal-educada e, digo eu, mentirosa, declaração sobre a decisão do Presidente Sampaio, veio agora Morais Sarmento lançar atoardas sobre a decisão do Presidente, considerando-a uma "imaturidade política". Fala Sarmento, o evolution man, o homem sem passado conhecido na política portuguesa, sem história, o ministro que quis fazer do "quero, posso e mando" uma lei e nos queria devolver aos ternos braços da censura, ainda que encapotada numa pomposa Central de Comunicações. O homem sem nada que justifique uma presença num governo senão o barroso-porreírismo.
"Imaturidade política"?
Assim de repente, só me lembro das múltiplas personagens de Paulo Portas. O Histérico. O Sério. O Responsável. O Importante (note-se a inteligência de Portas e o seu partido dos 10% conseguiram pôr um país e o segundo maior partido português à espera da sua decisão). Com recém adquiridos tiques bushianos, desde andar a brincar aos marinheiros, com aqueles bonés made in us e a usar termos como "o nosso presidente é o comadante máximo das nossas formas armadas" (como se Portas fosse subordinado de Sampaio não pela hierarquia política, mas pela militar) veio agora confirmar essa fase estranha de flutuação entre o personagem Importante e o personagem com traços bushianos. Ontem mentiu escandalosamente ao país, em directo, no Telejornal, para quem quis ouvir, afirmando, com aquele seu ar orgulhoso que o novo concurso para a aquisição de blindados tinha "sido ganho pelo consórcio austríaco Steyr-Daimler-Puch [que] irá fornecer 260 blindados com rodas, cuja construção seria assegurada, em parte, nas instalações da Bombardier, na Amadora.Paulo Portas assegurou ontem que tudo estava tratado e que tinha privilegiado este consórcio exactamente porque era sua intenção produzir parte do material para o Exército e para a Marinha em Portugal, e porque o preço oferecido (344,2 milhões de euros) era inferior ao do outro concorrente, por uma diferença de 13,4 milhões de euros."
O ar do ministro da marinha, tinha tanto de orgulhoso, como, hoje verificamos, de mentiroso:
É que o "ministro de Estado e das Actividades Económicas, Álvaro Barreto, negou hoje que tenha sido assinado qualquer contrato para a construção de parte dos novos blindados do Exército nas instalações da Bombardier, ao contrário do que afirmou ontem o ministro da Defesa, Paulo Portas."
A Bombardier? Também negou tudo.
Conclusão, à falta de sentido de estado, alie-se esta descarada capacidade de mentir. E não se esqueçam que uma mentira em directo na televisão vale mais que mil desmentidos num jornal. Não substimemos, portanto, estes senhores. Não nos esqueçamos que este, maioritariamente, é um país analfabeto e ignorante que engole mentiras como eu um pastel de belém (duplo significado para o próximo fim de semana): com a maior das facilidades, com o maior dos prazeres.
A partir deste momento, para esta gente, vale tudo. Menos arrancar olhos. Este governo demitido já percebeu que não agrada a toda a gente. Abandonou o populismo fácil e abana agora a bandeira do populismo belicisita. Este governo já percebeu que não vai ter mais votos, que não convence mais ninguém. Mas, como diria Portas, vão convencer os "seus" que esta é uma luta fracticida onde, ou se mata ou se morre. E "eles" já lutam, como kamikazes voadores, em todas as direcções.
É uma táctica suicida, mas mobilizadora. E este governo não precisa de mais votos para voltar a ser governo, precisa dos mesmos.Por isso, toque a reunir. A luta continua...
MCG

Continuando a ler o público on-line

Ouço todos os dias a mesma patranha, mas estou convencido que não se estão a tentar convencer a eles próprios! É só uma coisa que combinaram dizer, pronto! Ao menos Ferro, e a esquerda que tanto criticam pelos ataques ao presidente foram bem mais frontais! Mas é a direita assim... esguia, cheia de segundas intenções, e ataques covardes, ou sejas nunca frontais! Veja-se a ausência de Portas e de Santana em Belém. Se não queriam ir, como Ferro, demitiam-se!

Miguel Bordalo

Sócrates é mesmo um menino de coro

Posso estar a ser injusto, até porque é um ataque legitimo de Sócrates, mas esta notícia faz querer que o líder do PS está à espera de jogo limpo!

Miguel Bordalo

quarta-feira, dezembro 08, 2004

Caparica?

Hoje a Caparica deu-me uma lição de surf que tão cedo não vou esquecer. Acordei cedo, e apesar de estar um pouco doente foi para dentro de água onde se limpa mais o sistema. Chegamos à Costa e percebemos logo que não ia estar um dia normal. Encontramos um pico só para nós, e foi o surf mais maravilhoso que fiz na minha vida. Faltou o tubo que podia ter feito por duas vezes, mas não tive o esclarecimento para entrar nele... De resto... ondas perfeitas, pequenas, médias, grandes, com paredes enormes, drops lindos, no fundo... ondas de morrer. Apesar da praia estar cheia de gandulos, a Caparica tem tantos quilómetros de costa que não foi grande o efeito. Não perdi nenhuma onda para ninguém, e saí da água com aquela sensação de dever cumprido, e completamente esgotado. Estou aqui a escrever o post com alguma dificuldade em manter os olhos abertos... tamanho foi o despendio de energia...
A lição? Nunca digas mal das ondas numa praia, elas podem surpreender-te.

Miguel Bordalo

terça-feira, dezembro 07, 2004

Pastelinho abre espaço a viagens

Nos próximos tempos o Pastelinho vai querer recolher relatos de viagens. Num momento em que apetece fugir deste país, onde existe uma possibilidade de um homem chamado Santana ser novamente primeiro ministro, e onde, para já, há 35% da população que se presta a escolher este homem como seu líder, 35%! é demais, e este número, ou é maior ou vai ficar! Neste país meio louco propomos que os visitantes do Pastelinho exponham as suas viagens para fora. Onde estiveram, o que era bom, o que era mau. Publicaremos assim que possível estes relatos. Enviem-nos mails.
Eu, pessoalmente não vou poder relatar nada, porque o mais longe que saí do país foi ali a Vigo, a uns escassos quilómetros de Caminha.

Miguel Bordalo

Já se começa a perceber tudo

Na verdade já andava desconfiado disto, já o tinha dito neste post, que havia provavelmente água no bico na declaração de Santana à saída de Belém e no seu discurso logo imediatamente após esse dia, em que dizia que perguntou ao Presidente sobre dissolução da Assembleia da República três vezes, e em que dizia que não sabia porquê da dissolução. É provável que o discurso de Sampaio, que felizmente já está marcado para sexta feira, ao menos já está marcado, seja revelador. Estou muito curioso em relação a esse discurso.

Nesta notícia do Público pode-se constatar que existem várias discrepâncias entre o que os agentes políticos de direita tentam passar e o que a Presidência defende. Eu acredito muito mais na Presidência, o governo e os partidos de direita já me mentiram vezes demais para acreditar neles. Espero que Sampaio esteja em grande na sexta! Força Sampaio! Dá-lhes com força! Espero também que não vá para este momento com aqueles discursos rendilhados e redondos, podem ser bonitos, mas dificultam a hermenêutica...

Miguel Bordalo

As comemorações vêm de onde menos se espera

Foi de onde menos esperava que mais se fez alusão ao aniversário de Mário Soares, o Acidental, numa espécie de reverencia negativa, numa crítica de olho esbugalhado, não deixa passar a data. Se eu fosse Soares ficaria feliz! A direita mais clubística não o ignorou, fez questão de o assinalar com toda a força e recalcamento!

Miguel Bordalo

Sr. Presidente por favor

Esta mania que Sampaio tem de ficar calado ainda vai ser muito benéfica à direita. Estão a aproveitar isso para fazer campanha e atacar com um certo grau de eficácia o Presidente e a oposição, em distorcidos discursos e que roçam a teoria da conspiração mais sem cabeça.
Sampaio tem de falar quanto antes, a decisão já está tomada! Não sei o que é que a discussão com outros membros políticos pode alterar o que vai dizer sobre a sua sentença. Pare lá com isso de dizer que “há momentos em que é mais importante o silêncio” isso não tem sentido nenhum!
Enquanto isso a direita vai ilegitimamente ganhando terreno no papel de vitima, que tanto gosta, levou uma estalada, sabe porquê, porque um puto sabe sempre quando fez porcaria, mas não descansa até que a justificação venha da figura patriarcal. Enquanto isso os outros familiares divididos entre a desconfiança da maldade do puto e da possibilidade da estalada ter sido um passo à frente do necessário, acolhem o puto nos seus braços com pena. Uma metáfora com certeza muito querida a Santana, esse miúdo inconsciente. É para não dizerem que aqui no Pastelinho não se dá atenção positiva ao personagem.

Miguel Bordalo

Já houve piores

Mas hoje entraram no Pastelinho com esta chave de procura no Yahoo "receita bife portugália",
o site meter não engana! Claro que isto são os posts do meu querido companheiro! É assim que ele quer que o Pastelinho seja descoberto!?!?! ;)

Miguel Bordalo

O Livro

Hoje é, entre outras coisas, dia do lançamento do livro do Barnabé. Não que isto seja novidade, afinal de contas "1 milhão de pessoas preferiram o Barnabé", não sei se sabem, mas a probabilidade de o saberem é mesmo, mesmo, muito alta.
Desejo a maior das sortes aos Barnabés. Quer dizer, ao lançar um livro antes do Natal não é preciso ter sorte, seria preciso sim ter muito azar...
E vocês apesar de serem maioritariamente muito irritantes, devem -ou deviam? - ser uns gajos porreiros, escrevem muito bem, tem um ganda blogue pá, apesar de o que lá é escrito ser maioritariamente irritante, espero que tudo vos corra bem, a bem da esquerda que protesta. E reparem, eu disse que "protesta" e não "protestante", afastando assim toda e qualquer conotação religiosa do vosso bloco, perdão, blogue, que às vezes - o bloco ou o blogue?- me parece demasiado papal, demasiado moralista, demasiado sacrista.
Resumindo e concluíndo, espero que tudo vos corra bem. Em relação ao livro, claro. Nas eleições acho melhor começaram já a fazer um hino..."e tudo Sócrates levou..."*. Qualquer coisa assim.
MCG

* O que não é necessariamente bom. Mas apeteceu-me pá.

Um desabafo

Eu ontem devo ter estado noutro lugar às 20:30 que não o lugar 6, fila G, sector 7 do Estádio da Luz...

Para os "profetas" dos "ismos" que ditaram a noite na Luz. Paulo Pereira e o seu daltonismo, a incapacidade de distinguir as cores - como a maioria das pessoas com visão dicromática, tendeu a confundir o vermelho com o amarelo.Zahovic e Argel e os seus habituais nervosismos - exaltação incontrolada na forma como fizeram questão em "pagar na mesma moeda". Karadas e o oportunismo de mau gosto no lance que deu a vitória ao Benfica - ludibriar acontece, faz parte do "jogo", mas para ter "lata" não é preciso... fundamentalismos!
Céu Freitas, in Record a Nota do Editor

Esta senhora foi uma das pessoas que o Scolari mandou comer erva depois do jogo com a Rússia (convém dizer que ela apelidou Pauleta - açorianos calma, cito e critico - de "bajulador"). Grande Scolari.


MCG


Não digam a ninguém

Mas estou barricado!

Miguel Bordalo

Santana

Nowhere to run/nowhere to hide
santana

MCG

segunda-feira, dezembro 06, 2004

A preparação

Alguém aqui já viu aquele filme muito piroso com o Nicholas Cage, em que eles andam a roubar carros por tudo o que é lado, chamado 60 segundos? Há uma parte do filme que pode muito bem descrever uma parte da minha vida, que é quando eles vão iniciar uma série de assaltos impossível de fazer, mas antes, e apesar da relativa pressa e falta de tempo ouvem o “Easy low rider” se não me engano é assim que se chama a música. O momento é bestial, porque ficam todos parados a entrar numa espécie de groove, palavra muito jazzistica que eu gosto, e quando entram no momento estão preparados para enfrentar os problemas que se avizinham. Nem que fosse só por essa parte e ver o Vinny Jones a dar uma carga de porrada num gang, o filme já valia a pena. O pior é o resto, mas dentro do género é o melhor que se arranja.

A minha vida é um pouco assim. Há mais música que eu gosto de ouvir. Apesar de, como alguns frequentadores deste blogue sabem, Jazz é um estilo de vida de que não gosto muito de me desviar... Mas antes de começar a fazer qualquer coisa, ou no inicio de um dia que eu sei que vai ser difícil, ou num dia normal, tenho sempre de ouvir alguma coisa, normalmente Massive Attack com “Protection” no álbum do mesmo nome, “Dissolved Girl” (para mim a melhor música de Massive), ou “Hymn of the big wheel” (para mim a melhor música de Massive), ou “What your soul sings” (para mim a melhor música de Massive”), Portishead também serve com “Theme from To Kill a dead men” que se encontra no single “Sour Times”, !e mais! Loop Less com “Mashairi for upendo” e “Desert Crossing song” de preferencia de seguida! The Bluefoot project com “I don’t need you”, Attica Blues no impredível “The quest”! Deyampert “Held him first” (como é que eu vou amanhã para a Ericeira sem ouvir este tema! Desgraça o meu discman avariou-se!) Morcheeba “Big Calm” no álbum do mesmo nome, ou “Trigger Hippie”; Zero 7 “This World” com Mozez a bombar-lhe à maneira antiga! Alpha, por onde escolher?... hoje seria “Lipstick From the Asylum”. Mas depois há momentos em que tenho de ouvir Sade, ou Radiohead “Pyramid song”, “Hunting Bears” em Amnesiac, “ Everything in the Right Place”, “How to disappear completely” em Kid A, “Scatterbrain”, “A Wolf at the Door” de preferencia seguidas em Hail to the Thief! Tenho de ouvir Finley Quaye, este já mais raramente mas hoje podia ser... Gomez “Sounds from silence... e alguns mais... é um bocadinho esta a minha vida, ajustar músicas a pedaços dela, e filmes a momentos.

Noutro dia falarei mais sobre a minha música, andei a deixar mal o pouco pessoal do meu antigo blogue. Falei hoje porque estive a arrumar CD’s, o que no meu quarto não é fácil. Mas por falar nisto. Ofereço um croissant a quem me conseguir arranjar maneira para pôr durante uns dias “Hymn of th Big Whell” dos Massive Attack a tocar neste blogue! Vá lá pessoal cromo dos blogues! Sempre é um bolinho! E uma música muito Beatleana!

Miguel Bordalo

domingo, dezembro 05, 2004

Estratégias?

Já aqui mostrei por várias vezes a minha preocupação sobre o novo papel de Santana Lopes. É certo que não gosto do personagem nem um bocadinho, é provavelmente o pior e ao mesmo tempo mais perigoso político que temos em Portugal. É um homem completamente mal preparado para executar qualquer função política, e principalmente administrativa, mas tem uma sede de poder e uma vontade de protagonismo que rompe qualquer barreira do que é aceitável e até saudável! A maneira como encarou a última decisão de Sampaio é exemplo disso. Para ele não é claro que vai ganhar as eleições por isso anda angustiado, chateado e melindroso. - Então as pessoas não gostam dele? Pois claro que gostam! – pensa ele magoado com toda a gente que o contradiz.

De facto há várias estratégias e vários planos em jogo, o PSD tem a noção que é muito difícil ganhar umas eleições nesta conjuntura, e vai pôr Santana à vontade na frente do partido para que mais tarde, e com mais facilidade se livrem deste incompetente inimputável. E quem sabe, perante todo o seu populismo fácil, e papel de vítima que tanto faz efeito neste país, consiga ainda fazer um resultado não totalmente embaraçador. Há até quem, (como Luís Osório defendia na Capital de sexta-feira), queira que Santana se enterre tanto nestas eleições que nunca possa a ser uma peça a ter em conta num futuro embate para a presidência, e diga-se, essa seria a total desgraça! Porque nunca ninguém o poderia tirar de lá!
Mas a verdade é que o próprio PSD não está a pensar que Santana pode ganhar as eleições, e muitos “PSDs” não o querem. E também é verdade que se ele tira um resultado de tal maneira positivo apesar da derrota, Santana, tornar-se-á com certeza numa próxima solução dentro do partido para a Presidência da República, o que para alguns “PSDs”, é também inaceitável.

A estratégia do PS em relação a Santana, não existirá, vejo os órgãos dirigentes deste partido demasiado confiantes, a falarem em orçamentos como se não houvesse eleições antes disso. Relativamente ao orçamento, só dá jeito ao PS que este de Bagão vá para a frente, porque será uma desculpa, e principalmente um meio de não fazer outro, e não ter aquelas discussões desgastantes com os órgãos sociais. Mas pode ser bom para o PS, não será é bom para nós! Acho que o PS devia mesmo assentar os pés bem no chão, ir há luta como nunca foi antes, para poder apagar esta vil figura, que é Santana, do figurino da política nacional para sempre!

Quanto aos outro partidos, o PCP não sei bem o que quer, se quer realmente ser uma alternativa, nem que seja em coligação, tem de alterar algumas coisas, inclusive abrir-se mais. O BE vai continuar, numa espécie de um recreio de esquerda sem nada a perder a fazer batalhas em todos os sentidos. E o PP só quer que o PSD faça uma coligação para poder manter uma esperança de estar representado no parlamento na próxima nomenclatura. Apesar de todos nós termos de ter muito cuidado também, com o personagem que é Portas. Que infelizmente não vai poder ser afastado tão cedo como Santana, se este sequer o for.

Miguel Bordalo

Mais momentos confrangedores

Sabem, para mim a literatura é um prazer. Gosto de pegar num livro e acabá-lo feliz, ou em conflito, ou pensativo, contemplativo, seja o que for que um livro me faça sentir. Até hoje posso dizer que nunca li um livro até ao fim que me fosse desagradável, porque quando não gosto largo-o. Eu sei que há maus livros por aí, de maus escritores que nunca irão fazer um bom livro na vida. Mas a verdade é que um dos meus escritores preferidos, que é indiscutivelmente um dos grandes romancistas de sempre! Indiscutivelmente! Também tem livros maus, que é Saramago. E até vos digo mais. Sei de quem, perante o mesmo livro que eu digo que é mau, digam que é muito bom. Porque encontraram uma referencia na sua vida. Algo que os identifica, e por isso conseguem compreender melhor aquele livro, que o melhor decifrador de enigmas literários! Mesmo nos grande é muito difícil não se ser subjectivo na literatura. Ao contrário do que alguns pós-modernos querem defender não existe uma hierarquia estética, e o lugar de um crítico de literatura não é encontrá-la, é estudar os conteúdos de um livro.

O Esplanar veio ontem mostrar um texto que faz exactamente isso, e pior é um ataque literário aquilo que parece ser uma luta de protagonismo científico dentro da sociologia, simplesmente um nojo!

Miguel Bordalo

É que há com cada um!

Os títulos nos jornais a estudos de referência por vezes tomam proporções um pouco ridículas... Não é que se trate de uma verdade de la Palice (no contexto que sempre a utilizei, mas podem ler aqui um texto sobre a expressão), mas é redutora do estudo em si. No público "Estudantes que lêem menos são mais vulneráveis ao insucesso escolar" E quem é que se vai interessar por este estudo com um título destes?

Miguel Bordalo

Luta na lama

Como já disse aqui várias vezes, eu não gostei da presidência de Jorge Sampaio, votei nele para a reeleição e ficou muito aquém das minhas expectativas. Foi sempre muito cinzento, sempre muito apagado, e na altura da maior decisão da sua carreira política falhou, ou pelo menos não tentou acertar, é provável que a tenha adiado, mas o que aconteceu a este país nestes cinco meses é mau demais! A Santana nunca se lhe devia ter dado uma oportunidade, nem uma! Deram-lhe um brinquedo para as mãos que por acaso é o país em que eu vivo. Nas verdade tenho nestes últimos dias entrado num processo de apaziguar as minhas ideias em relação a este Presidente, porque finalmente deixou de ser cinzento, e tomou a decisão que lhe faltava. Não deixo por isso de dizer que Sampaio foi um presidente medíocre. A sua presidência comparada com a de Soares... Soares inclusive projectou o nosso país! E foi, num momento importante, um elemento preponderante no fim da década Cavaquiana, sem hesitações. Comparando os dois, antes de serem presidentes fariam com que eu preferisse muito mais Sampaio, principalmente por ter sido um excelente presidente da câmara da minha cidade, enquanto Soares não foi um grande primeiro ministro...

Mas digo eu isto, porque me incomodou a forma como Sampaio hoje teve de responder ao irresponsável e belicoso Primeiro Ministro. Primeiro Santana revelou uma conversa com o Presidente, que não é normal, apesar de Barroso já o ter feito. Depois porque provavelmente há água no bico, para não dizer mentira. Sampaio veio, estranhamente, quase emocionado, aquela emoção de raiva que faz aos homens doer-lhes a maça de Adão e ainda ficarem mais irritados por terem aquele tipo de sentimento “mariquinhas”... Era disto no fundo que Sampaio tinha medo, ataques brutais de que vai ser alvo, muito mais do que foi quando resolveu empossar este actual governo! Os ataques agora vão ser pessoais, vão-se inventar coisas sobre Sampaio, vai-se mentir, insultar, no fundo ataques muito mais queridos à gente que domina a direita neste momento.
Estou também à espera, com alguma dose de curiosidade, pela justificação de Sampaio, aquele discurso que irá dar poderá faze-lo crescer ainda mais na minha consideração, e com certeza não é importante para ele, mas é importante para mim, saber que tenho um Presidente que considero mais. Se o seu discurso for uma desilusão... bem paciência! Eu quero é votar e decidir os destinos do meu país. Coisa que, espero, façam a maior parte das pessoas que vivem nele.

Miguel Bordalo

sábado, dezembro 04, 2004

Nota:

Não fazer surf quando têm os dedos todos cortados.

E frio eu?... Obrigado mãe!

Miguel Bordalo

Mais rápido que o Ondas

Andy Irons ganha Sunset Beach! Grande Surfada, totalmente merecido! Ele é totalmente diabólico e não dá para o parar. Rápido, bonito, bem feito, imaginativo, resoluto, equilibrado e com uma vontade de ganhar maior do que o resto. Eu que até sou admirador de Slater nada tenho a dizer. A sua melhor ondas foi, em Sunset, uma esquerda! Tubo e floater! Brutal!

E mais rápido do que no Ondas! ;) (já está, ufh!)

Miguel Bordalo

Santana é mentiroso

A mentira em questão não é grave, mas mostra quem (e tenho vergonha de dizer isto), o actual primeiro ministro de Portugal felizmente demissionário, realmente é. Sai da reunião com Sampaio diz que não o vai criticar, da minha boca não vão ouvir criticas, disse com aquela pose falsa de chefe de estado. Hoje no discurso que abriu a pré-campanha critica pesadamente Sampaio. Uma vergonha de um menino ranhoso, a queixar-se de tudo e de todos, expecto da sua incompetência e inutilidade. Cuidado com ele no entanto, estou preocupado com o à-vontade com que todos se referem ao personagem. Não pode ser. É necessário ter muito cuidado com o populismo e a capacidade de vitimização que este tipo de parasitas que habitam na política são capazes de transformar.

Miguel Bordalo

Mais arrogante que os arrogantes

Cajuda sobre a vitória frente ao Porto: “Fácil”. Ainda há gente que me faz lembrar que há sempre pior que o pior!

Miguel Bordalo

sexta-feira, dezembro 03, 2004

A nossa hora

Depois de tudo o que se passou nos últimos quatro meses, temos uma grande responsabilidade pela frente. Desde que me lembro nunca houve uma contestação tão forte a um governo como a este so called governo de Santana Lopes. Sim, eu lembro-me bem de Cavaco. Mas nunca nada tinha sido tão mau e nunca o mau tinha sido tão unanimemente contestado.
Pela frente temos agora que ter a capacidade de olhar um pouco para trás. E lembrarmo-nos de tudo o que sentimos, pensamos e escrevemos. Estes quatro meses pareceram eternos. Lembremo-nos da agonia e da angústia que este governo nos ofereceu. Lembremo-nos das posições que tomamos, das convicções que manifestamos, da revolta que expressamos. A consequência disso tudo é que temos agora a responsabilidade de tomarmos o nosso destino colectivo nas mãos. Porque um pouco de cada um de nós esteve na decisão de Jorge Sampaio.
E vamos fazê-lo sem medo. Vamos participar, agitar, agir. Há tanta gente com ideias, que se mostrem, que apareçam, que contribuam com sugestões e projectos para os movimentos políticos existentes, ou que, em último caso, avancem para movimentos políticos alternativos. Debatam dentro ou fora dos círculos partidários. Misturem-se, infiltrem-se, absorvam pensamentos, troquem ideias. Abanem a consciência do próximo. Com força e determinação. Este é um momento de reflexão mas também de acção. Vamos votar. E em massa. Um voto de protesto, sim, mas de arrependimento, também. Arrependimento, sim, peso na consciência. Lembrem-se, da última vez que dissemos que "eles são sempre os mesmos para quê votar" - que foi, como sempre, quando vamos a eleições, neste caso nas últimas- tudo descambou nisto, no pior dos piores governos, que ostentou a sua ilegitimidade e incompetência até ao último suspiro, com uma prepotência que tentou atropelar os mais elementares valores da nossa democracia por todos os meios possíveis. Não vos peço para darem as mãos. Rejeito o unanimismo e a unanimidade. Mas cerrem fileiras e agarrem com unhas e dentes esta oportunidade que nos foi dada.
Tomemos a democracia nas nossas mãos e acariciemo-la inspirados no orgulho dos que a construíram e na certeza absoluta de que jamais, ninguém, senão nós, a podemos continuar a construir. MCG

O multifacetado

Lavar a roupa suja dos outros não é um trabalho para qualquer um. Exige algum espírito de sacríficio. Mas há quem faça disso não uma necessidade permente, mas uma obssessão permanente. MCG

quinta-feira, dezembro 02, 2004

Pinto da Costa notificado

Pinto da Costa está envolvido no processo a correr na polícia judiciária. Envolve o processo "Apito Dourado". Mas o presidente do FCP vai mesmo ter de prestar declarações. Foram já feitas buscas à SAD do FCP e à residência particular do Presidente do FCP.

Está lindo está! Estamos por acaso a viver num país desenvolvido? O governo cai por incompetência, e investiga-se aquilo que toda a gente sabe que se passa à vários anos! VIVA PORTUGAL!
Estou a ouvir agora Martins dos Santos, um pouco nervoso, o que é normal, mas até ao momento não teve de prestar qualquer declaração na PJ, nem nada sabe, diz.

Miguel Bordalo

Na senda da sabedoria popular

Será que..? Zangam-se as comadres sabem-se as verdades... Na sequência da investigação “Apito Dourado”, mais desenvolvimentos na judiciária... E quando soltam a judiciária... digamos que não é por causa deles que as coisas não são feitas!

Miguel Bordalo

Sai notícia fresca no público

Vários detidos entre eles árbitros da primeira categoria da arbitragem em Portugal, Paulo Paraty, Jacinto Paixão, Martins dos Santos e Augusto Duarte. Realmente nem parece que nos últimos dias vivo em Portugal! Ver notícia no público.
Sei também que várias instalações do FCP foram ocupadas por agentes da Polícia Judiciária.

Miguel Bordalo

Cai o Carmo e a Trindade!

Anunciadas investigações na área metropolitana do Porto, vários árbitros presos, empresários e possivelmente Pinto da Costa está a ser ouvido pela polícia judiciária!
Mais desenvolvimentos aqui no Pastelinho.

Miguel Bordalo

O sempre surpreendente Esplanar

É provavelmente o meu blogue preferido, é certo que discordo com algumas coisas que dizem, e estou a falar de Cuba, por exemplo, mas como são poucas as vezes que vão por aí, prefiro não hostilizar, porque na realidade eles são todos escritores geniais. Eu neste blogue escrevo muitos textos sobre insanidade e loucura, mas o esplanar é uma referencia incontronável sobre o que é a loucura institucionalizada, que no fundo resulta quase sempre em comédia, ao contrário da minha que, como pode ver neste último exemplo é muito mais áspera. A verdade é que leio aquele blogue sempre com a expectativa de ficar surpreendido, este último post de João Pedro George é impredível, não só é hilariante, como é também um facto! E ainda por cima promete mais!

- Esplanar um blogue sempre no limite, a própria essência da atracção pelo abismo! Quando começarem a ler não vão poder mais parar!

Miguel Bordalo

uma inesperada metafora

cortei os dedos. estava a tentar arranjar um relogio com um canivete, e em vez de o arranjar, o canivete fechou-se repentinamente levando-me dois dedos atras, o dedo anelar ficou sem um pedaço de carne, o outro com um rasgo de tres centimetros. agora e extremamente dificil escrever, principalmente porque foram dedos da mao direita, o anelar e o indicador! e e extremamente dificil por acentos e letras grandes, por isso nao os vou por. resultado estou incapacitado durante um bom tempo, nem vou poder guiar ate ao pedaço de carne que restou no dedo, voltar ao sitio. o relogio foi para o lixo, porque nao tinha concerto... se calhar é por isso que “ainda” não estou fadado para ser governo! sou um pouco infantil, ate por que fiquei bastante irritado, e berrei um bocadinho, com uma doze bem visivel de desajeitado, e clara inexperiencia em resolver problemas, e ainda trazer mais problemas quando efectivamente os tento resolver! percebem? seria imediatamente afastado de qualquer lugar de liderança, como por exemplo... hum... nao sei, SER PRIMEIRO MINISTRO!

ps: sempre que escrevo a esta hora, hora do almoço, os meus textos sao estranhos e parecem todos deja vu!

miguel bordalo

Feriado sem posts

Este feriado tem cada vez mais passado despercebido, tem uma importância enorme na nossa identidade nacional, mas qualquer dia, e com mais uns tempitos de Santana no poder e podia ser um dos sacrificados não? É uma pena, até porque a nível de história, é um dia tipo 25 de abril, mas mais sarcástico e brutal. É uma história interessante com vários participantes e vários acontecimentos circundantes. Mas agora mal pára nos nossos jornais. Pronto, é certo, ontem foi um dia especial, e nos tempos que correm quase com o mesmo significado que o feriado, pelo menos soube como tal!

Foi também dia mundial da SIDA. Uma doença brutal, que dizima milhões todos os anos. Queria fazer um texto mais literário sobre este flagelo. Mas hoje foi um dia cansativo, não sei bem porquê...

Miguel Bordalo

quarta-feira, dezembro 01, 2004

Depois da tempestade a análise

É claro para mim que a decisão de Jorge Sampaio, tão saudado no último post no momento da verdade, foi uma decisão tardia, que eu confesso, não espera que este Presidente a tomasse.
Há dois tipos de comentários agora, evidentemente os favoráveis e os desfavoráveis. Os desfavoráveis vão tentar concentrar este pedaço de história defendendo que Sampaio devia ter vergonha por ter dissolvido a assembleia por causa de Henrique Chaves. Esta argumentação é tão fraca que não irá aguentar muito tempo, e desenvolver-se-á para uma argumentação do tipo – vários episódios pequenos não dão razão ao Presidente para o fazer. – O Diário de Notícias e a TVI vão ser provavelmente os grandes transportadores desta mensagem.
Os favoráveis vão claro, focar a atenção no total desgoverno, na total incapacidade que é notória de todos os dias aparecerem erros novos, novas broncas, situações terceiro mundistas. Porque na realidade nenhum governo antes foi tão atacado por fora e por dentro.

Mas a história não vai acabar por aqui. É verdade, já festejei. É verdade, já exagerei. Mas eu não sou um dos grandes críticos de Sampaio por acaso. Uma das teorias que mais me incomoda é que Sampaio fez uma jogada política para deteriorar a direita. Eu é que não quero acreditar que um presidente pôs um país em causa, a sua capacidade de decisão e bom senso, e a sua sanidade política e económica, tudo por causa de uma jogada política. Não posso aceitar.
Outra coisa que não posso aceitar é este orçamento de estado. Uma grande parte das pessoas que ainda defendiam este governo e deixaram de o fazer, fizeram-no devido a este orçamento, é mau, muito mau, e não pode ir para a frente. Já que aguentamos 5 meses deste governo, aguentamos um orçamento de gestão. Quanto mais depressa for corrigido este documento, mais rapidamente este país recuperará desta governação. Principalmente porque há vários aspectos neste orçamento que são feitos somente para agradar ao eleitorado. Felizmente essa situação resolveu-se mais depressa do que muitos pensávamos.
Outro dos problemas agora são as eleições, e principalmente não cair no erro de que está no papo. O populismo é muito perigoso, atenção, não podemos ficar à espera que se abra uma guerra freirática entre os dois partidos de direita. A esquerda, toda a esquerda tem de vincar as suas origens, não ter medo e criar uma alternativa efectiva. Mas isso será para outros posts. Por agora, parabéns a todos que lutaram contra este governo ilegítimo, que lutaram pela democracia como ideal e não como constitucional. Este dia, como qualquer dia de eleições e de decisões importantes reforçou muito a minha costela democrática. Ainda bem. Mas é necessário ficar atento, porque a democracia tem destas coisas, mas também tem das outras.

Miguel Bordalo

terça-feira, novembro 30, 2004

É uma vitória histórica

Hoje vivemos um dia histórico e inesquecível. É o recuperar da legitimidade democrática neste país, seja qual for o resultado! É a maior satisfação política de sempre que eu tenho! Uma vitória que vai fazer com que, e quem conhece as regras deste blogue, eu publique esta foto. Há problemas, sim! Mas hoje Sampaio está em grande aqui no Pastelinho! É o nosso herói de hoje!



Viva o Senhor Presidente da República, o Senhor Doutor Jorge Sampaio!

Miguel Bordalo

Vitória

democracia

O assaltou à democracia terminou. Contemos espingardas amanhã. Hoje é um grande dia. MCG

Contra mim falo

Quem sabe! A verdade é que só a ponderação de Sampaio pode vir, e ainda falta a confirmação, a surpreender-me bastante. No fundo, e na senda de uns tantos comentários nos últimos tempos neste blogue, "Gato escaldado de água fria tem medo!"

Miguel Bordalo

Num país de crentes, um ateu... sou eu

Hoje Jacinto Lucas Pires, um dos grandes escritores da nova geração em Portugal, faz uma excelente crónica em jeito de apelo na Capital. Traça, de uma forma simples, razões pela quais Sampaio se pode apoiar para convocar eleições antecipadas. Já uns dias antes neste post, Mark Kirby, do País Relativo, tinha feito um exercício parecido. O GWL foi até criterioso. O Manel aqui no Pastelinho também, e muitos, muitos outros.

Mas querem saber, vou-vos contar... tão desiludido quanto vocês... Sampaio nem pôs a hipótese, nem vai pôr! Ele não está à procura de justificações, nem nunca esteve. Razões, como se diz, já tem ele de sobra. A verdade é que Sampaio quis sempre ver a justificação pelo outro lado, que era bom ter uma maioria, nem que isso significasse que ela não governasse bem, e que fosse uma maioria falsa, não eleita pelo povo. Nunca quis saber quem, quis sempre saber como, nem que, o "quem", significasse a personificação de tudo o que é incompetente e totalmente incapaz de executar as suas funções. Uma reunião no PSD bastou-lhe. Todos os problemas que este governo tem levantado resolvem-se com umas conversas e com uns avisos. Esta questão do ministro nem o vai incomodar ligeiramente, para ele será só um ministro, como muitos outros, noutros governos. A maneira como o ministro se demitiu, e as declarações que produziu serão sempre desvalorizadas pelo Presidente, nem que não seja porque não lhe foram dirigidas pessoalmente. Não tenho esperança nenhuma em eleições antecipadas, nem vou ter enquanto estiver lá este Presidente. E vão ouvir isto muito mais vezes aqui no Pastelinho, eu voto no candidato presidencial que me prometer que convoca eleições antecipadas! Terá o meu voto na certa! BE, PCP, PS e até PSD, pela maneira como as coisas vão!

Miguel Bordalo
Site Meter